E AGORA COMO FICA COPEL?

E Agora como Fica Copel?

Quem me acompanha há mais tempo sabe que na minha carteira Dica de Hoje tenho uma ação que gosto muito até com participação expressiva que é Copel (ticker cple3). Clique aqui e assista o vídeo e conheça toda a minha carteira. Para saber os motivos que incluí Copel em minha carteira pode assistir a esse vídeo.

Geralmente eu faço posts que são mais teóricos, mas hoje apareceu uma matéria no valor econômico clique aqui  que posteriormente foi confirmada por meio de fato relevante no site de RI (Relacionamento com Investidores) da empresa clique aqui  e que eu precisei falar com vocês.

Obs: Estou escrevendo na quinta feira dia 08/06/2017.

Antes de começar o post gostaria de dizer que abri um novo grupo de whatsapp para apoiadores do site e do canal. Com um valor modesto por mês você pode participar de um grupo de whatsapp comigo, conversar sobre investimentos a participar de um hangout uma vez por mês. Para saber mais clique aqui.

A partir da matéria do Valor Econômico, a empresa pretende captar R$ 4 bilhões de reais por meio de uma oferta pública primária de ações. Isto significa que o valor arrecadado da emissão de ações irá todo para o Caixa da Companhia.

Na matéria fala também que a assembleia Legislativa do Paraná aprovou recentemente uma lei que autoriza o Estado a vender o que exceda 51% da participação acionária na empresa, contanto que esta seja vendida acima do Valor Patrimonial. Aí mora o primeiro problema. Hoje o Patrimônio Líquido de Copel está cotado em 15,567 bilhões de reais como mostra a foto abaixo retirada do site de RI da empresa. Todas as fotos do post foram retiradas desse link.

Vamos agora começar a fazer algumas contas para entender o que pode acontecer com o acionista minoritário e se o preço atual ficou bom ou não para comprar. Sabendo que hoje a cotação da ação Cple3 chegou abaixo dos R$ 20,00 por ação durante a manhã.

A empresa possui pouco mais de 273 milhões de ações divididas principalmente em duas classes de ações. São 145 milhões de ações Cple3, que recebem 10% a menos de dividendos. E 128,3 milhões de ações Cple6. Assim, o Valor Patrimonial de cada uma diluído seria 7,89 bilhões de reais referente às ações Cple3, e 7,68 bilhões de reais referente a participação das Cple6. Nessa conta temos que as ações Cple3 tem valor patrimonial de R$ 54,41 por ação, enquanto as ações Preferenciais classe B Cple6 possuem Valor Patrimonial por ação de R$ 59,85 (10% a mais).

Para facilitar o entendimento e os cálculos, excluí do post as ações cple5 que não tem praticamente nenhum float e que representam apenas 0,1% do total como pode ser visto na próxima foto.

Agora as 15:16 de quinta feira 08/06/2017, as ações Cple3 e Cple6 estão cotadas na B3 pelos preços respectivos de R$20,21 e R$ 25,43. Isto significa que ambas estão sendo negociadas com amplo deságio em relação ao Valor Patrimonial, o que pela lei aprovada na Assembleia Legislativa impossibilitaria o governo de alienar as ações excedentes pura e simplesmente a preço de mercado.

Assim a saída encontrada foi uma subscrição de ações ou melhor uma oferta pública de ações.

Para começar a entender isso, precisamos analisar a composição acionária da empresa. E que está representada na foto abaixo.

      Retirado do site de RI da empresa

            Vemos que do total de ações ordinárias (CPLE3) o governo do Estado possui 58,6% do total. Se o Governo não quiser subscrever nenhuma de suas ações e aceitar ser dilúido para até 51%, ele poderia emitir ações até chegar em 166,723 milhões de ações, ou seja, poderia emitir 21,7 milhões de novas ações. O que no preço atual de R$ 20,21 seria suficiente para levantar “apenas” 438 milhões de reais. Eu falo apenas porque a matéria fala em levantar 4 bilhões de reais.

Dificilmente eles emitirão todo o restante em cple6. Mas seria possível. Veja o que fala o estatuto da empresa. Eles podem emitir novas ações até a quantidade de 500 milhões de ações.

 

A Lei 6404/76 que consta no segundo parágrafo fala que o total de ações preferenciais não podem ultrapassar 2/3 do total de ações emitidas. Assim, a empresa ainda poderia chegar a ter até 333,277 milhões de ações cple6. Em números, significa que a empresa  poderia emitir 205 milhões de novas ações cple6. A empresa dessa forma ainda estaria dentro da Lei da Sociedades Anônimas e dentro da determinação

de seu estatuto.

Uma emissão de 205 milhões de ações cple6 no preço atual de R$ 25,43 seria o suficiente para levantar 5,21 bilhões de reais.

Vale a pena ressaltar que essas ofertas públicas de ações costumam ter um deságio. Portanto eu imagino que a empresa iria arrecadar de 5% a 10% menos que esse máximo pelo valor de mercado atual.

Já vimos como a empresa pode emitir as ações inclusive sem o governo colocar um centavo do próprio bolso. Na minha opinião, seria muito bom porque aumentaria a quantidade de ações em circulação (free-float) e a ação poderia ganhar mais visibilidade embora pudesse ficar com os preços pressionados no curto prazo.

Agora, vamos observar o que pode acontecer com os números da própria empresa. Caso os R$ 4 bilhões de reais sejam levantados. E desde já eu irei assumir aqui que estes R$4 bilhões de reais foram levantados a partir da emissão de 21,7 milhões de ações cple3, além da emissão de 160 milhões de ações cple6. Com preços médios de R$ 18,00 e R$ 23,00 respectivamente. Mas poderiam haver milhões de outras combinações.

Primeiro analisaremos a dívida da empresa, que como podemos ver na foto abaixo, já chega a monta de R$ 8,9 bilhões de reais, e além disso 2,7 bilhões dessa dívida bruta total vencem nos próximos 12 meses. E mais 3,9 bilhões de reais vencem em 2018 e 2019. Se incluirmos avais e garantias essa dívida ainda sobe mais 1,5 bilhão de reais.

A posição de caixa atual da empresa é de apenas 1,2 bilhão de reais incluindo títulos de curto prazo, o que mostra a impossibilidade de se pagar tudo sem a captação de novos empréstimos ou emissão de debêntures.

A grande vantagem, é que uma boa parte das dívidas são em moeda nacional e foram captadas com taxas de juros baixa. (excluindo aí as notas promissórias e debêntures, que foram captadas a taxas de mercado)

 

Na foto abaixo vemos que a empresa tem aumentado muito sua dívida líquida para manter seu plano de investimentos que é bem audacioso. A dívida líquida saltou de R$ 1 bilhão em 2012, para quase 9 bilhões agora em 2017.

 

Caso a oferta seja bem sucedida e os 4 bilhões de reais novos entrem na empresa. O Valor Patrimonial da empresa subiria de 15,56 bilhões de reais para 19,56 bilhões. O Valor Patrimonial por ação passaria a ser R$ 40,77 para ações ON, o que representaria R$ 6,77 bilhões de reais do Valor Patrimonial total. E o Valor Patrimonial das ações PNB cple6 seria R$ 44,84, totalizando 12,9 bilhões de reais para essa classe de ações. Continuaria com uma ampla defasagem em relação aos preços atuais. O indicador Preço/Valor Patrimonial por ação passaria dos 0,36 atuais para Cple3, para 0,50. Mas outros indicadores melhorariam como podemos ver nos próximos parágrafos.

Outro fator importante relacionado a dívidas, são as despesas financeiras. No 1T2016 a empresa gastou 239 milhões de reais com variação monetária, cambial e encargos da dívida. Com esse aumento da dívida bruta a empresa no 1T2017 passou a gastar R$ 272 milhões de reais em variações e encargos da dívida. Isso mostra que um aporte no caixa da ordem de R$ 4bilhões de reais pode ajudar esses valores caírem ao menos 25%. Com isso a empresa teria uma economia de juros de dívidas da ordem de R$ 220 milhões a R$ 270 milhões. Esta economia pode se transformar em um acréscimo de lucro de R$ 150 milhões a R$ 180 milhões de reais anuais aos acionistas excluindo imposto de renda e Contribuição Social sobre o Lucro Líquido.

A empresa passaria a ter uma dívida líquida de 4,955 bilhões de reais, o que reduziria o seu indicador de dívida líquida / Ebitda para 1,2 vezes. Um nível de alavancagem baixo para o setor de energia elétrica. A dívida bruta passaria a representar 45,17% do Patrimônio Líquido.

No entanto, os dividendos se reduziriam para quem não comprasse as novas ações. Vejam só:

Eu estou projetando um lucro líquido esse ano de 1,2 bilhão de reais para Copel. Pela aprovação da assembleia atual 600 milhões de reais ou um payout de 50% deve ser distribuído aos acionistas em 2018, seja em dividendos, seja em juros sobre capital próprio. Dividindo pela quantidade de ações atuais teríamos um dividendo de R$ 2,09 por ação ON e de R$ 2,30 por ação PN, pela minha projeção. Vejam que é um yield superior a 10% projetado, para as cple3.

Com a emissão de ações, haveria uma redução das despesas financeira e o lucro líquido se for aumentado por 4 meses teríamos um lucro líquido de 1,26 bilhão de reais, que  geraria mantido o payout de 50% um valor de R$ 630 milhões de reais em dividendos. Mas agora existiriam 288,3 milhões de ações cple6 e 166,1 milhões de ações cple3. O que chegaria a dividendos de R$ 1,29 por ação cple3. E R$ 1,42 por ação cple6. O que ainda sim deixaria os dividendos interessantes na ordem de 6,5% do preço da ação por ano. No entanto, a empresa ficaria pronta para realizar seus investimentos e pronta para lucrar 1,5 ou 1,6 bilhão de reais em 2018.

A pessoa que fizer a subscrição passaria a ganhar um valor menor sobre uma maior quantidade de ações o que não impactaria o valor recebido. Entretanto, terá de desembolsar um valor na oferta Pública de ações.

            Algumas últimas observações:

No curto prazo, devem ter várias notícias desencontradas, boatos, rumores e a ação deve apresentar alta volatilidade. Não deve ser comprada por pessoas que tenham aversão ao risco, porque pode haver uma alta perda também.

Como vocês puderam ver, essa estratégia representa um risco grande. Bem maior que a estratégia do IPCA 2045 ou de itausa (itsa4). Existe chance de dar errado e não é pequena.

Não se trata de recomendação. Essa foi apenas a minha análise da empresa de energia do Paraná, que continuará gerando, transmitindo e distribuindo energia em um mercado que ela possui monopólio.

Não me responsabilizo por perdas incorridas com essa estratégia, assim como vocês também não irão me pagar caso ela dê certo.

Por enquanto, não passa de uma notícia que foi confirmada pela empresa os entendimentos. Até a oferta pública sair pode demorar meses ou até anos, assim não vale a pena considerar essa compra visando apenas o curto prazo.

Caso o preço da ação caia muito por causa dessa notícia, não acredito que o Governo do Paraná irá seguir adiante com a oferta pública. Fica mais barato aumentar a dívida da empresa a emitir ações a preço de “banana”. Só como exemplo, Recentemente a Ser Educacional cancelou uma oferta pública porque após o áudio da JBS, todas as ações caíram muito e ela que pretendia levantar 440 milhões de reais, percebeu que só levantaria R$ 360 milhões.

Abraços e Bons Negócios.

Daniel Nigri analista CNPI

 

 

 

  • Marcelo Ricardo De Aguiar

    “A pessoa que fizer a subscrição passaria a ganhar um valor menor sobre uma maior quantidade de ações o que não impactaria o valor recebido. Entretanto, terá de desembolsar um valor na oferta Pública de ações.”

    poderia explicar melhor?

    • Daniel

      Essa é a conclusão do paragrafo de cima. Lé o paragrafo de cima que você vai entender. Tem os cálculos.

  • Thiago Reis

    Excelente artigo!

  • Carlos Ornaghi

    Mais uma vez, excelente análise!

  • Otavio Biamino

    Não existe valor patrimonial distinto para classes de ações…..

    • Daniel

      Acho que fica mais didático, já que os dividendos são 10% menores. Afinal o que voce retira da ação são os dividendos e o preço de venda.

  • Fátima do Pilar

    Oi Daniel! Que tal esse momento da política, da bolsa, da economia, incógnita total… ninguém sabe pra onde o mundo vai… aff… ótima análise sobre Copel, estou posicionada em Sanepar, mas tenho “amor” por Copel também… provável que no Paraná a direita permaneça no próximo governo, então não haverá grandes alterações nessas duas estatais… pelo menos é a tendência, mas a gente nunca sabe né… Enfim, abraaaço!!! Bom trabalho aí!!!

    • Daniel

      Eu tenho falado pras pessoas que fazem consultoria comigo pra deixar no mínimo 30% em Renda Fixa livres pra saque. Não estou falando de fundo de emergencia nem do que já estaria em Renda Fixa.

  • Werley

    Olá Daniel, gostaria de parabenizá-lo pelo trabalho que vem desenvolvendo! Achei seu post por acaso enquanto estava vendo os comentários no Guiainvest sobre a Copel pois estou estudando essa empresa. Daí em diante quase nem dormi no primeiro dia, assistindo todos os seus vídeos! São muito bons e você tem uma didática incrível.

    • Daniel

      Deve afetar sim.
      Na verdade o meu racional em Copel não é a parte de distribuição, mas sim a Geração, a Transmissão e a Telecom que tem crescido muito.

      Mesmo a distribuição sendo o core business da empresa, o que deve puxar esse ano o maior ebitda são as outra áreas da empresa.

    • Daniel

      Além dos dividendos que devem ter um yield incrivel.

      • Werley

        Obrigado!!!

  • Ricardo Augusto

    Seria interessante para quem tem cple6 trocar por cple3?

    • Daniel

      acredito que sim.