QUAL A MINHA OPINIÃO SOBRE IPOS

renda-fixa-variavel-capa

 

Os últimos 3 anos, foram muito difíceis para a economia brasileira, com retração econômica, cenários de estagflação, juros em alta, aumento do desemprego, grande intervencionismo do Estado e outros fatores que atrapalham o crescimento do país como um todo. Cenário este que já foi abordado neste artigo.

Em cenários muito adversos, poucas empresas se arriscam a fazer IPO na bolsa de Valores. Para quem não sabe IPO, é abertura de capital, ou o termo em inglês (Initial Public Offering). Significa que a empresa, a partir de um determinado momento, ela vai passar a ser negociada na bolsa de valores. Mas como funciona esse sistema?

Uma empresa muito grande precisa se financiar, e ela possui diversas formas de conseguir captar dinheiro para realizar seus investimentos. Ela pode pegar um empréstimo, pode emitir uma debenture, pode vender ativos não estratégicos ou pode abrir o capital. Na abertura de capital, os donos, aceitam vender parte da empresa, mínimo de 25%, para que esta possa ser negociada na bolsa de valores. Com isso vem uma lista de deveres e de transparência, mas que normalmente vale a pena para as empresas. Existem duas formas de oferta: a Primaria e a secundária:

opiniao-ipo

Como podemos ver nas gravuras acima, na oferta primaria, o investidor que entra no IPO paga a quantia para entrar no caixa da empresa, logo o valor arrecadado vai aumentar o potencial de investimentos da mesma. Já na oferta secundária, o investidor que entra no IPO, com pra a participação de um acionista maior que está desejando sair do negócio, ou que queira reduzir sua participação no negocio. No IPO da Hermes Pardini, agora em fevereiro, a maior parte do valor arrecadado era oferta secundaria, por exemplo.

Como vocês podem ver também, depois da primeira injeção de capital, não entra mais dinheiro novo na empresa. Mas ela tem muitos ganhos indiretos. O fato de ser auditada e ter regras de transparência mais duras, faz com que elas consigam empréstimos e financiamentos mais baratos. Além disso, elas podem realizar subscrições a qualquer momento que aí sim injetaria novos recursos na empresa.

Em 2013, tivemos 10 aberturas de capital. (Linx, BB Seguridade, Smiles, Ser Educacional, GAEC Educação, CPFL Energias Renovaveis, Senior Solutions, CVC Brail, Alupar investimentos e Biosev). Ainda era um ano de bonança da nossa bolsa. Empresas de varejo crescendo forte, chegamos a ter os juros básicos em 7,25% ao ano.
Nos três anos seguintes, a economia se deteriorou e em 2014, 2015 e 2016 só tivemos um IPO em cada ano. Em 2014, Ourofino abriu capital (ofsa3), em 2015, foi a vez de Par Corretora (Parc3) e em 2016 tivemos a abertura de capital dos Laboratorios Alliar (aalr3). Olhe na tabela abaixo, o histórico dessas empresas desde o IPO.

opiniao-ipo-1
Elaborado pelo autor

Importante ressaltar que a tabela acima não contempla dividendos nem juros sobre capital próprio que eventualmente tenham sido distribuídos neste período. Pra vocês terem uma ideia, neste período todo aalr3 ainda não distribuiu nenhum tipo de provento, parc3, pagou cerca de 1,10 ao longo destes quase 2 anos, e ofsa3, pagou 0,55 desde outubro/2014.
Percebemos que a rentabilidade dos 3 IPOs perde inclusive para o CDI do período, se entendermos que boa parte do período tivemos juros de 14,25% ao ano.

Expectativas para 2017

Em 2017, são esperados mais de 10 IPOs na bolsa brasileira. Até o momento, já tivemos dois IPOs bem sucedidos (Hermes Pardini e Movida) e dois que foram refugados (construtora Tenda e Unidas). E já estamos em período de reserva para um outro. O da companhia de Aviação Azul, que eu ainda não analisei.
Como podemos ver, os IPOs estão vindo pra ficar. PARD3 abriu capital dia 14/02/2017 valendo 19,00 e agora vale 19,70. Mesmo, com a queda do índice Bovespa e da bolsa como um todo no mês de março ela tem se segurado no campo positivo. Cheguei a fazer um vídeo sobre ela, na época do IPO recomendando entrada nela. Veja aqui https://www.youtube.com/watch?v=v3Jg8osekuo. E Movida tem uma historia mais interessante. A diretoria quis colocar Movida com preço inicial entre 8,90 e 11,30, que obviamente era um sobre preço no mercado, eles voltaram atrás e aceitaram entrar no mercado e realizar o IPO, em 08/02/2017, por um preço justo e razoável de 7,50, e atualmente a empresa já está sendo cotada a R$ 8,55.O que já mostra uma ótima rentabilidade para o acionista. Acima de 13% em pouco mais de 1 mês.

Antes que me perguntem, eu não recomendo Movida, Pra mim, movi3 tem que ser calculada como movi3. Tenho visto muitas pessoas usando múltiplos de Localiza para mostrar como movida pode valer 11 ou até 13 reais.

Os IPOs de uma forma geral, devem ou deveriam ser encarados pelas diretorias e conselhos de administração das empresas, como uma forma de financiamento mais barato, para que a empresa possa crescer, e o pequeno acionista que comprou no IPO, possa crescer junto com a empresa no longo prazo. Foi o que Movida fez, quando ajustou o preço. Foi o que Tenda não fez quando tentou colocar goela abaixo do mercado que duas empresas separadas valem mais que as duas juntas. Quando o tema ganho com sinergias em fusões já é amplamente estudado e confirmado.

O grande problema é que os atuais controladores, das empresas que abrem capital, querem tentar ganhar ou garantir o máximo de recursos na abertura de capital e aí contratam bancos de investimentos para fazer o road show e garantir uma faixa de preços atraente pros controladores e sócios atuais. Cada IPO gasta mais de 30 milhoes de reais nisso, pra vocês terem uma ideia de qual o montante que gira. Assim, os bancos acabam recomendando na maioria das vezes compra dessas empresas, mesmo com múltiplos esticados.

Conclusão

Eu acredito que esse seja um dos grandes problemas dos IPO no Brasil. Os donos da empresa precisam entender que o dinheiro deles precisa crescer junto com a empresa ao longo do tempo. Assim o pequeno acionista terá possibilidade de ganhos no IPO mantendo a posição a longo prazo.

Outra notícia que me fez escrever esse artigo foi a da abertura de Capital da XP que é esperada para o segundo semestre desse ano. Ano passado, eu ouvia que a XP queria levantar 2,5 bilhões de reais no IPO, agora em Janeiro li uma matéria que falava em 1 bilhão de dólares. E agora mais recentemente uma matéria do Estadão já fala em 4 bilhões de reais, clique aqui. Do jeito que a coisa caminha me parece que será um desses IPOs bem inflacionados e que o acionista minoritário costuma não acabar bem. UM desses IPOs que os controladores não serão parceiros dos novos acionistas, mas que vão querer sugar ao máximo o que o IPO pode levantar. Mais pra frente quando o IPO vier de fato a gente fala mais a respeito.

Abs
Daniel Nigri CNPI

  • Luiz Carlos Lucena

    Ótimo artigo, concordo com sua opinião.
    Uma dificuldade que vejo para investir em IPOs é com relação ao histórico da empresa, geralmente não temos muitas informações e, devido a isso, acaba acontecendo calculos com históricos de empresas similares (como o caso citado da movida, por exemplo).

    PS: Seja bem vindo novamente Daniel.

    • Daniel

      Isso é verdade. Mas em 2013, os IPOs foram bons. Pode ver que tem muita empresa ali na lista que hoje em dia até está na minha carteira e outras que não estão mas que também são boas. Acredito que a Hermes Pardini deve se movimentar bem no longo prazo. Mas tem algumas que parece que o objetivo é ganhar a grana do IPO.
      Obrigado Luiz

  • iamdix

    Na duvida a minha preferencia para IPO é ficar de fora e esperar um tempo para ver o comportamento da empresa.haja visto a media dos resultados aqui no Brasil