Recentes    Acordo tributário do G7 é “ponto de partida” no caminho para a reforma global e uma possível correção nos mercados

Notícias - 10 / 06 / 2021

Acordo tributário do G7 é “ponto de partida” no caminho para a reforma global e uma possível correção nos mercados

O acordo tributário acordado pelas principais nações avançadas do mundo neste fim de semana é a primeira prova substantiva de uma cooperação internacional revivida desde que o presidente Joe Biden trouxe os EUA de volta à mesa de negociações.

No entanto, ainda há um longo caminho a percorrer antes que possa ser implementado. “Este é um ponto de partida”, disse o ministro das finanças francês Bruno Le Maire, prometendo que “nos próximos meses lutaremos para garantir que esta taxa mínima de imposto sobre as sociedades seja a mais alta possível”.

O grupo dos sete países mais ricos do mundo garantiu um acordo histórico que pode ajudar os países a arrecadarem mais impostos de grandes empresas e permitir que os governos imponham taxas sobre os gigantes da tecnologia dos EUA, como Amazon Inc. e Facebook Inc.

O acordo dos ministros das finanças do G-7 em Londres atende à demanda dos Estados Unidos por uma alíquota mínima de imposto corporativo de “pelo menos 15%” sobre os ganhos estrangeiros e abre caminho para impostos sobre as multinacionais em países onde elas ganham dinheiro, em vez de apenas onde elas estão sediadas, e deveriam, assim, ter o direito de tributar uma certa proporção do lucro das multinacionais maiores e mais lucrativas nos locais onde ele é gerado.

No entanto, há muita água para rolar e os líderes deixaram claro que há muito ainda a ser decidido nas negociações globais mais amplas, que estão sendo conduzidas entre 139 países na OCDE em Paris.

O primeiro obstáculo que o acordo do G7 enfrenta é conseguir o apoio do grupo de nações do G20, que se reunirá em Veneza no próximo mês. Enquanto a OCDE estima que as propostas podem gerar um adicional de US$ 50 bilhões a US$ 80 bilhões por ano em receitas fiscais, a soma real levantada irá variar enormemente, dependendo dos detalhes técnicos do eventual acordo global.

Dois fatores terão um impacto particular: a taxa em que qualquer mínimo é definido e se os países que implementam o mínimo podem cobrá-lo sobre as receitas geradas em países que não o fazem.

A escala do impacto geral é particularmente sensível a este último ponto, conhecido como “combinação jurisdicional” ou “complementos país a país”.

A secretária do Tesouro dos EUA, Janet Yellen, entre os chefes de finanças que saudaram o anúncio como um passo sem precedentes, disse que um acordo final pelo qual as empresas poderiam ver seus lucros tributados fora de seus países de origem incluiria empresas como Amazon e Facebook.

“O que você está vendo é um renascimento do multilateralismo, uma disposição das nações líderes no G-7 e no G-20 de cooperar para enfrentar os desafios mais críticos que as economias globais enfrentam”, disse Yellen após a reunião.

O pacto do G-7 marca um passo para reescrever um sistema tributário global que, segundo os críticos, permitiu até então que grandes empresas economizassem bilhões de dólares em impostos, mudando jurisdições. Também ajuda a resolver reclamações de que grandes empresas digitais podem ganhar dinheiro em vários países e pagar impostos apenas em casa.

De acordo com Gabriel Zucman, economista da Universidade da Califórnia em Berkeley, conhecido por seu trabalho sobre os paraísos fiscais, twittou que o acordo era “histórico, inadequado e promissor” – porque, embora 15 por cento fosse uma taxa muito baixa, não havia obstáculo para chegar a um taxa mais alta.

A taxa mínima “corta os incentivos para as empresas multinacionais contabilizarem lucros em paraísos fiscais”, disse ele, mas acrescentou que, para o mínimo, “é essencial que seja país a país”, já que as empresas poderiam usar paraísos fiscais para compensar as taxas fixadas em mais de 15 por cento em outros lugares.

Ministros e funcionários, nas negociações do G7, se esforçaram para enfatizar que seu acordo não significava que o mundo havia concordado com mudanças na tributação internacional, muito menos que o plano acabaria bem. Em vez disso, eles expressaram isso como uma tentativa ambiciosa de incutir ímpeto nas negociações globais.

Em resposta ao anúncio, algumas das maiores empresas de tecnologia do mundo se concentraram em como o acordo poderia ajudar a esclarecer as regras sobre onde pagar impostos.

“O acordo de hoje é um primeiro passo significativo em direção à certeza para as empresas e ao fortalecimento da confiança do público no sistema tributário global”, disse o vice-presidente de Assuntos Globais do Facebook, Nick Clegg, no Twitter.

Um porta-voz da Amazon disse que o processo liderado pela OCDE “ajudará a trazer estabilidade ao sistema tributário internacional” e descreveu o acordo de sábado como um “passo bem-vindo no esforço para atingir essa meta”.

Sob a administração de Trump, os EUA também se recusaram a permitir que governos estrangeiros tributassem as empresas digitais americanas, uma demanda europeia importante.

A divisão transatlântica se transformou em uma batalha de medidas unilaterais e ameaças de sanções comerciais, que embora suspensas, ainda estão em vigor.

De acordo com o comunicado após a reunião de Londres, os países onde operam grandes empresas teriam o direito de tributar “pelo menos 20%” dos lucros superiores a uma margem de 10%. Isso se aplicaria às maiores e mais lucrativas empresas multinacionais de tecnologia.

Questionada sobre se isso significa que empresas como Facebook e Amazon seriam incluídas, Yellen disse que se aplicariam “por quase qualquer definição” e “a maioria dessas empresas provavelmente será incluída neste novo esquema”.

Os ministros do Reino Unido e da França disseram que agora estão seguros de que os gigantes da tecnologia estarão na mira de novas regras, mesmo que os critérios quantitativos finais ainda estejam para ser determinados.

“Há quatro anos lutamos em todos os fóruns europeus e internacionais, aqui no G-7 e no G-20, por uma tributação justa dos gigantes digitais e por um imposto corporativo mínimo”, disse o ministro das Finanças da França, Bruno Le Maire.

A antipatia nos últimos anos foi maior entre Paris e Washington. A França foi o primeiro país a contornar o lento processo da OCDE sobre como tributar os lucros, optando por uma cobrança polêmica exclusivamente sobre as receitas digitais de grandes empresas.

O G-7 disse que os países iriam “providenciar a coordenação apropriada” para remover essas taxas de serviços digitais. Resolver a sequência exata disso pode ser complicado, com os países relutantes em desistir de receitas antes de terem certeza sobre o que ganharão com as novas regras globais.

O ministro das Finanças italiano, Daniele Franco, disse que terá como objetivo ampliar a discussão quando os ministros das finanças do G-20 se reunirem em julho, em Veneza. Assim que a proposta for aprovada, a Itália não precisará mais de seu imposto digital, disse ele.

 

Dois problemas

 

Destacando outras divisões restantes, o ministro das finanças da Irlanda, cujo país atraiu algumas das grandes empresas do mundo com impostos baixos, disse que qualquer acordo sobre uma taxa mínima deve atender às necessidades de “países pequenos e grandes, desenvolvidos e em desenvolvimento”.

Indo na outra direção, Le Maire disse que 15% é um ponto de partida e que a França lutaria por uma taxa mais alta nas próximas semanas.

O governo do presidente Joe Biden ainda precisa da aprovação do Congresso e espera que o acordo lhe dê alavancagem para seu enorme programa de infraestrutura. Ele está buscando o apoio de legisladores para aumentar a alíquota do imposto corporativo doméstico de 21% para 28%. Um acordo internacional de 15% pode ajudá-lo porque oferece opções para as multinacionais.

Dois importantes legisladores republicanos disseram que o acordo “parece prematuro, dadas as muitas perguntas sem resposta sobre as propostas do Pilar 1 e do Pilar 2 e seu efeito potencial nas empresas americanas e nas receitas dos EUA”.

“Continuamos alertando contra o avanço de uma forma que possa afetar adversamente os negócios dos EUA”, disseram em um comunicado Mike Crapo, membro do Comitê de Finanças do Senado, e Kevin Brady, membro do ranking da Câmara Ways and Means.

A OCDE disse que um acordo global final pode não chegar até outubro, com a entrega exigindo que as nações passem o plano pelas legislaturas nacionais.

“Há um trabalho importante a ser feito”, disse o secretário-geral da OCDE, Mathias Cormann. “Mas esta decisão adiciona um impulso importante para as próximas discussões.”

Ressurgimento do Multilateralismo

Em privado, alguns ministros disseram que a urgência de um acordo no G7 era demonstrar que os países ricos ainda importavam, em uma tentativa de mostrar ao mundo que o século 21 não seria dominado por regras estabelecidas pela China.

O Ocidente está tentando recuperar o controle da agenda global fechando acordos em áreas de política contenciosa após quatro anos do governo Trump, quando isso era impossível, disseram ministros tanto em público quanto em privado.

“O que vi durante meu tempo neste G7 é uma colaboração profunda e um desejo de coordenar e abordar uma gama muito mais ampla de problemas globais”, disse Yellen ao Financial Times.

 

Fonte: Financial Times, The Guardian, Bloomberg

Por: Debora Toledo

 

Leia outros artigos

×