QUAL TÍTULO RENDEU MAIS NO TESOURO DIRETO NOS ÚLTIMOS 11 ANOS

qual-titulo-rendeu-mais-no-tesouro-direto

 

Qual Título Rendeu mais no Tesouro Direto nos últimos 11 anos

No grupo de apoiadores do site, um investidor levantou uma pergunta que eu não soube responder de cara. Qual o título que mais rendeu pegando um período prolongado de tempo. Posso te dizer que eu intuitivamente acreditava que não era o Tesouro Selic, mas estava na dúvida se era o Tesouro Pré- Fixado ou o Tesouro IPCA.

Para facilitar os cálculos peguei apenas os títulos que não pagam cupons de juros desde o dia 09/06/2006. Portanto são mais de 11 anos de retorno. Imaginei o mesmo investidor sempre colocando 100.000,00 no título mais longo disponível de cada título, e quando o determinado título chegasse ao vencimento ele colocaria no próximo título mais longo deste mesmo tipo de título.

Se você quiser ser um apoiador do canal e aproveitar um fórum de discussões muito acima da média, e além disso, ainda receber algumas recomendações de análise fundamentalista, clique aqui. Lembrando que serão apenas 70 vagas.

Primeiramente, peguei o título mais simples de se entender que é o Tesouro Selic. Eu já expliquei em alguns artigos como esse título se move, como por exemplo nesse artigo, mas basicamente esse é o único título que não sofre com altas ou quedas abruptas por causa da queda de juros. O título que eu digo que é ideal pra quem precisa deixar o dinheiro investido por pouco tempo, ou para pessoas que tenham muita aversão ao risco.

Na tabela abaixo, percebemos que este título em 09/06/2016, valia 2752,14 reais cada título. E que R$ 100.000,00 eram suficientes para comprar um pouco mais de 36 títulos. Esse valor foi sendo corrigido de forma pós fixada pela Selic e agora em 30/06/2017 vale 8914,00 reais cada. Um aumento de 224% bruto.

Cabe ressaltar que em 2006, o título mais longo que existi desse tipo era o Tesouro Selic (LFT) 2011. Então o investimento foi feito neste título. Em 31/12/2010, ocorreu o vencimento dele e teríamos recebido o valor de R$ 163.561,45, que descontando 15% de IR sobrariam R$ 154.027,23 para reinvestir em 03/01/2011 (próximo dia útil) em 34,21 títulos na LFT 2017. E assim por diante. Agora em 06/03/2017, aconteceu o vencimento desta LFT, e esta foi trocada pela LFT 2023.

Importante entender, que o valor sempre aumenta, mas a cobrança do imposto de Renda faz diminuir a quantidade de títulos sempre.

 

qual-titulo-rendeu-mais-no-tesouro-direto

Elaborado pelo autor com dados desse link.

 

A rentabilidade líquida deste título total foi de 183,13%. E as rentabilidades anuais, excluindo pagamentos de Imposto de Renda, são todas positivas e de acordo com a Selic.

Outra coisa essencial de mostrar é que foram pagos um total de R$ 30712,71 de Imposto de Renda até o dia 06/03/2017, e nesta data o valor líquido remanescente foi de R$ 274038,66. Se, por um acaso, em 09/06/2006, no início da Série existisse um título suficientemente longo que não obrigasse o investidor a precisar trocar o título, o valor bruto pra saque no mesmo dia seria:  R$ 313501,49 menos 15% de IR sobre o ganho sobraria líquido R$ 281476,27. Ou seja, R$ 7400,00 a mais!!!

Se o Tesouro Selic é pós fixado, não é descontado de um valor de face para uma data futura. Por que não criar um Tesouro Selic pra 2050, por exemplo? Apenas para antecipar os nossos impostos de Renda e arrecadarem mais e antes!!

Os cursos de Tesouro Direto que eu recomendo para entender melhor cada um desses título são, Carteira Rica e Segredos do Tesouro Direto.

Agora vamos falar do título pré fixado. Como eu já mostrei em alguns outros artigos, esse título tem algumas características interessantes. O Valor final dele será sempre R$1000,00. Isto é, no vencimento ele valerá R$1000,00. Este título sofre marcação a mercado. Portanto, se a taxa de juros subir ele pode se desvalorizar e passar a valer menos e se a taxa cair ele pode se valorizar mais que a taxa contratada inicialmente. Isso chama-se marcação a mercado e foi explicada neste artigo:

Em 09/06/2006, quando fizemos a simulação do investimento de R$ 100.000,00 o título mais longo que existia era a LTN 2009. Com vencimento em 31/12/2008. Em 01/01/2009 o dinheiro foi transferido para a LTN 2011, em 03/01/2011 passou para a LTN 2014, em 2014, foi comprada a LTN 2017, e finalmente agora no início do ano passou para a LTN 2021. (a LTN 2023, só foi criada em meados de fevereiro de 2017), portanto dia 02/01/2017, o título mais longo era o de 2021 ainda.

Vejam os valores dos títulos comprados e seus valores ano a ano na tabela abaixo. Percebam que seus valores são sempre R$ 1000,00 nos respectivos vencimentos.

 

Qual-Título-Rendeu-mais-no-Tesouro-Direto-02

Elaborado pelo autor com dados desse link

 

Vejam agora a simulação abaixo do valor investido. Aqueles R$ 100.000,00 quanto teriam rendido.

 

Qual-Título-Rendeu-mais-no-Tesouro-Direto-03Elaborado pelo autor com dados desse link

 

O que mais me chama atenção é que como o título era muito curto antigamente, o imposto de renda era cobrado com muita frequência (em todos os vencimentos de títulos). Isso faz com que o investidor precise sempre reduzir seu investimento para ser debitado do IR na Fonte nos vencimentos dos títulos. Vocês viram esse impacto no título anterior. Mesmo assim esse título teve um rendimento superior ao Tesouro Selic. Sobrou R$ 340.046,23.

Já o Tesouro IPCA, como são títulos mais longos, só foi necessário realizar uma troca. Em 09/06/2006, o  título mais longo existente era o Tesouro IPCA (NTN-B) 2015. Então no dia 14/05/2015, houve o vencimento desse título e este foi trocado pelo Tesouro IPCA 2035. Vejam que agora a próxima troca seria apenas em 2035, como eu acho que poderia ocorrer com as LFT (Tesouro Selic)

Veja na tabela abaixo a valorização deste título e o pagamento de IR.

Qual-Título-Rendeu-mais-no-Tesouro-Direto-04

Elaborado pelo autor com dados desse link

 

Os mesmos R$ 100.000,00 se transformaram em mais de R$ 450.000,00. Vejam que este título teve rentabilidade negativa em alguns períodos. E isto mostra nitidamente como os títulos mais longos têm possibilidade de lucros maiores, mas também possuem riscos maiores.

Se você tem a possibilidade de aguardar em caso de problemas, a melhor estratégia é alocar o capital no Tesouro IPCA para longo prazo. Em segundo lugar, no Tesouro Pré-Fixado. E o Tesouro Selic deve ser usado como fundo de curto prazo e de emergência apenas.

A única ressalva que eu gostaria de fazer é que após a queda expressiva de 2015 no Tesouro IPCA, que não ocorreu no Pré, porque o vencimento do título era mais próxima, víamos que o tesouro pré fixado tinha uma leve vantagem em relação ao Tesouro IPCA. Isso mostra que quando as taxas de juros caem a patamares pequenos é necessário vender o tesouro IPCA e alocar em outros títulos para não perder os ganhos conquistados, quando o ciclo econômico se inverter e as taxas dos títulos começarem a subir de novo.

E finalmente, segue abaixo o gráfico com a rentabilidade bruta dos 3 tipos de títulos desconsiderando os impostos de Renda cobrados. Vejam que em cada ano um tipo de título diferente ganha no total. Mostrando como é importante o investidor ficar atento as mudanças de cenário da economia.

 

acoes-defensivas-02

 

Bom pessoal, espero que tenham gostado e hoje ficamos por aqui.

Abraços e Bons Negócios

  Daniel Nigri  CNPI

 

 

  • Sandro Machado Guimarães Gozzi

    Excelente texto Daniel. Uma dúvida, quando fala “quando as taxas de juros caem a patamares pequenos é necessário vender o tesouro IPCA e alocar em outros títulos para não perder os ganhos conquistados” Seriam títulos do tesouro mesmo? Mas a taxa do pré-fixado (no mesmo momento) não estará também baixa e com previsão de elevação dos juros? Daí só restaria o selic para relocar. Certo? Obrigado.

    • Bruno Bassora

      A ideia é vc vender esses IPCA para não perder os ganhos e aplicar em algo pos fixado, podendo ser a LFT ou titulos privados longos. Faça o curso do Eduardinho do Carteira Rica que vc aprende todos esses detalhes do TD nos ciclos econômicos de topo e fundo da Selic. Abraços

      • Sandro Machado Guimarães Gozzi

        Obrigado.

      • Cícero

        Bruno, o problema é ter uma boa bola de cristal para adivinhar quando os juros (selic, ipca+) estão no topo ou no fundo! ainda mais agora com o cenário político totalmente incerto…

        • Daniel

          Não é não Cícero. BRasil não vai conseguir ter taxa de juros reais menor que 3,5% no curto prazo. Vc já se baseia por aí.

          • Cícero

            Perfeito Daniel!
            a questão não é o número-taxa, mas o tempo, quando, chegarão a mais ou menos essa taxa q vc citou.
            Antes da bomba-Temer tínhamos um cenário mais estável, agora tudo pode acontecer (mesmo com certo viés de queda ainda); não podemos ficar presos no boletim Focus que é muito incerto também.
            Infelizmente os juros estão muito atrelados ao cenário político ainda, mas parece que os economistas, empresarios, investidores já estão percebendo que não é preciso se submeter a essa “prisão”.

            Abs, seus posts são excelentes, Parabéns!

          • Daniel

            Prazo mudou de 1 ano pra 3 anos ou 5 anos. Mesmo assim o rendimento ainda é de 16% líquido. Que é muito bom

        • Bruno Bassora

          Realmente vc nunca vai conseguir acertar o topo e fundo, por isso fazemos a taxa media. Ano passado mto achavam que os IPCA 35 passariam de 8%, e nao compraram a 7,8%, que ja era excelente! Se vc comprar e vender depois com 1,5-2% diferença vai ter um lucro absurdo! Só que tem q ter paciência e não colocar o dinheiro que possa precisar a curto prazo!

          • Cícero

            Exato! na verdade os juros dos ipca-35/45 estão muito atrativos ainda pra médio, longo prazo e aposentadoria. (tenho um valor considerável no 45 sem urgência).
            Pra emergencias tenho um fundo-LFT que paga 100% do CDI ou mais com tx.adm. de 0,20% em D-0 bem melhor que o tesouro-selic.
            Abs.

          • Paulo Nascimento

            Para emergencias, nada se compara ao CDB liq diaria do intermedium (99-104%cdi)..ganha de longe do tes selic ou fundos selic.

          • Cícero

            Paulo, mas nesse fundo posso fazer aportes e saques de até 100,00 no dia! CDB não aceita isso.

          • Paulo Nascimento

            Pode meu amigo..no do intermedium..dê uma pesquisada nele..abco

          • Cícero

            Bem, pelo que vi só aceita uma aplicação única de minimo 500,00 e sem aportes subsequentes.
            https://www.conta-corrente.com/conta-digital/intermedium/intermedium-reduz-minimo-para-investir-em-cdb/
            Abs.

        • malanar11

          Ninguém acerta os topos e fundos. Mas se você tiver uma idéia já da para ganhar bastante.

    • Daniel

      Seria sair do Tesouro IPCA e passar pro Tesouro Selic.
      A Selic deve chegar em 8,5% esse ano. Se ela continuar caindo vc permanece nesse. Na ora que a inflação começar a subir por 3 meses seguidos e começarem a ventilar um aumento da taxa vc já transfere.
      Melhor ganhar pouco, que perder.

    • Cícero

      Sandro, há outros títulos melhores que o tesouro-selic como: CDB, LC, LCI, LCA, DEBENTURES de corretoras se vc não precisar do dinheiro urgente.

  • Eduardo

    Bom dia Daniel.
    Minha sugestão neste seu excelente trabalho é colocar a poupança como um item para ser comparado. Receio que com o pagamento do IR o rendimento fique próximo.

    • Daniel

      No passado com rendimentos de 14% não deve ficar não. Mas se no futuro a taxa ficar em 8% certamente ficará proxima

      • malanar11

        Conforme nova regra da poupança (acho que mudou em 1994): Selic menor ou igual a 8,5%: Rendimento igual a 70% da Selic+TR%. Quero ver 70% da Selic mais TR passar de 100% Selic.

        • Daniel

          Eu sei. Mas quanto mais baixo, mais pesa o 0,30% de custodia do TD. Mais pesa a taxa de administração do fundo do banco. E se a diferença for mínima o cara fica na comodidade. E como eu disse será próxima. Não disse que será maior. Embora dependendo da taxa de administração possa vir a ser.

          • malanar11

            Taxa de administração? Diversas corretoras não cobram nada pra você investir no TD. Mas se você quiser que alguém invista no TD pra você, aí não tem jeito, ninguém trabalha de graça. Atualmente não pago pacote de serviços, taxa de administração, TEDs, ligação telefônica (não escuto a voz do gerente a 1 ano), etc… para o banco. Meu dinheiro agradece.

            Vai ser interessante fazermos essa análise quando chegarmos lá nos 8% de Selic.

          • malanar11

            Taxa de administração? Diversas corretoras não cobram nada pra você investir no TD. Mas se você quiser que alguém invista no TD pra você, aí não tem jeito, ninguém trabalha de graça. Atualmente não pago pacote de serviços, taxa de administração, TEDs, ligação telefônica (não escuto a voz do gerente a 1 ano), etc… para o banco. Meu dinheiro agradece.

    • malanar11

      Mesmo com o IR a vantagem para o tesouro é indiscutível. O rendimento anual da poupança é pífio. Só valeria a pena essa comparação se o prazo fosse curtíssimo, tipo 1 mês, onde a taxa de IR seria máxima (27,5%), e nesse caso os ganhos líquidos ficam próximos. Rendimento líquido do TD Selic em 2016: 10,6% (já descontados taxa de custódia e IR referente QUASE a 1 ano de aplicação, 20%), Poupança: 7,65%. Resumindo, poupança nem pensar. Lembrando que depois de 2 anos o IR é de 15%.

  • Bruno Giovani Rossi

    Daniel, saiu essa material no site Eu quero investir – dizendo que o preço dos titulos pode subir muito em 2018 devido artigo 167 da constituição, que proíbe o Governo Federal de emitir dívida acima das despesas de capital. O que acha disso? poderia opinar?
    https://www.euqueroinvestir.com/fim-do-tesouro-direto/

    • Cícero

      Realmente bem interessante o assunto amigo!
      ou seja, pelo andar da carruagem tanto o aumento de impostos como as privatizações não darão conta do “recado” orçamentário (vão querer muito dinheiro pra eleições!), sendo muito provável o corte nos títulos do TD!
      Conclusão: ainda dá tempo pra aplicar muito neles e realmente as taxas do IPCA+ estão muito atrativas ainda; nesse cenário de queda de selic e inflação.