INVESTIMENTO EM STARTUPS – PARTE 1

0
86

Riscos e recompensas do investimento em Startups

O que é uma startup?

 O mundo é muito mais conveniente hoje do que era na virada do século. Não há necessidade de sair de casa para comprar mantimentos ou sair do meio-fio para pegar um táxi. Existe um aplicativo para isso.

Precisa de uma carona para o aeroporto às 4h? Peça um Uber.

Nas últimas décadas, as startups viraram a cabeça para os setores seculares, resolveram grandes problemas com o clique de um botão e conseguiram lucrar muito com seus produtos e serviços. O mesmo acontece com os investidores sortudos que fizeram uma aposta arriscada em uma empresa iniciante que, por acaso, teve uma ideia que funcionou.

Uma startup é tradicionalmente definida como uma empresa privada recém-criada (com idade entre 5 e 10 anos), projetada para ser dimensionada muito rapidamente. A maioria das startups inicia operações muito pequenas enquanto desenvolve sua ideia inicial e, em seguida, procura financiamento adicional de capitalistas de risco e investidores anjos à medida que desenvolve seus negócios.

O que é investimento inicial?

Os investidores iniciantes estão basicamente comprando um pedaço da empresa com seu investimento. Eles estão investindo capital em troca de ações: uma parte da propriedade da startup e os direitos de seus potenciais lucros futuros.

Ao fazer isso, os investidores estão formando uma parceria com as startups em que optam por investir – se a empresa obtém lucro, os investidores obtêm retornos proporcionais à sua quantidade de patrimônio na startup; se a startup falhar, os investidores perderão o dinheiro que investiram.

 Liquidez refere-se à quão fácil é converter um título (algo que você possui com valor econômico) em dinheiro. As ações de uma empresa de capital aberto (Facebook, por exemplo) podem ser negociadas quase instantaneamente na bolsa de valores e, portanto, são altamente líquidas. O patrimônio de uma startup ou de uma empresa de capital fechado é relativamente ilíquido, pois é mais difícil de vender.

Os investidores iniciantes lucram com seus investimentos quando vendem parte ou toda a parte da propriedade da empresa durante um evento de liquidez, como abertura de capital ou aquisição.

Um evento de liquidez é uma oportunidade de transformar um valor que está atrelado ao patrimônio líquido em dinheiro. Um exemplo comum é uma oferta pública inicial de ações IPO (InitialPublicOffering) – a primeira venda de ações de empresas privadas ao público – geralmente chamada de “abertura de capital“.

Durante IPOs bem-sucedidos, o preço por ação sobe drasticamente em relação aos valores de pré-venda, aumentando o valor das participações dos investidores e dando aos acionistas a oportunidade de negociar suas ações no mercado público, se quiserem liquidar (descontar) seus ativos.

Um ativo é um pedaço de propriedade com valor econômico, de propriedade de um indivíduo, de uma corporação ou do governo, e espera-se que traga benefícios futuros ao proprietário. Os ativos geralmente geram fluxo de caixa futuro, reduzem despesas ou melhoram as vendas.

Os ativos são divididos em classes de ativos – grupos de valores mobiliários (direitos de propriedade) que exibem características compartilhadas, se comportam de maneira semelhante no mercado e são regidos pelas mesmas leis e regulamentos.

O patrimônio inicial, por exemplo, é considerado como uma classe de ativos de alto risco, alta recompensa e altamente ilíquida.

Isso significa que investir em ações de startups é muito arriscado, porque muitas não conseguem devolver o dinheiro dos investidores, e as ações de startups são relativamente mais difíceis de vender antes dos IPOs da empresa. No entanto, esse aumento de risco e falta de liquidez é associado ao potencial de um retorno muito grande se a inicialização for bem-sucedida.

Algumas startups permitirão aos investidores vender suas ações na empresa antes do IPO; referido como uma venda secundária de ações.

No entanto, muitas startups emitirão o direito de preferência, o que exige que os investidores que desejam investir em ações antes que uma empresa abra seu capital ofereçam uma oferta inicial de venda para a startup ou seus primeiros investidores (chamada de oferta pública de aquisição). A maioria das startups também impõe restrições à venda secundária de ações ordinárias ou mantidas por fundadores e funcionários.

Quer ter acesso a nossas carteiras de Ações?

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente e conheça as carteiras da Área de Membros!

Investir em startups vs. Investir no mercado público:

 Prazos: Os investidores no mercado público poderiam teoricamente ver um retorno dentro de alguns dias ou semanas; geralmente leva de 7 a 10 anos para que um grande evento de liquidez ocorra para startups (embora pequenos eventos de liquidez possam ocorrer mais cedo).

 Venda de ações: os investidores no mercado público podem vender suas ações a qualquer momento. É mais difícil vender ações de inicialização antes do IPO, pois as ações geralmente são emitidas com disposições, como o direito de preferência e outras restrições às vendas secundárias.

 Retornos: IPOs tornaram-se menos comuns nos últimos anos, e as empresas de tecnologia estão adiando o IPO até que muito do seu valor tenha sido acumulado, tornando mais lucrativo para os investidores habituais do mercado público investirem em startups privadas de estágio inicial enquanto ainda não abriram capital.

Alto risco, alta recompensa: o apelo ao investimento em startups

O investimento em startups vem com boas e más notícias.

 Primeiro, as más notícias: 90% das startups falham.

Muitos outros devolverão apenas o dinheiro que você investiu inicialmente, deixando você exatamente onde começou – sem perda, sem ganho.

 Agora, as boas notícias: investir em um grande vencedor pode compensar todos os seus investimentos fracassados ​​e ainda assim gerar um lucro enorme. (Bônus: o governo dos EUA fornece um benefício fiscal para investidores iniciantes qualificados, para ajudá-los a recuperar perdas de investimento).

 E há mais (boas notícias) de onde isso veio… Nos anos 80 e 90, a maior parte da criação de valor aconteceu para investidores do mercado público que compraram ações de gigantes da tecnologia, como Amazon e Microsoft, após a abertura de capital. Agora, no entanto, a maior parte da criação de valor mudou para investidores de empresas privadas em estágio inicial.

De fato, se você esperasse até que uma startup se tornasse pública para investir, poderia perder 95% dos ganhos, que geralmente são acumulados pelos investidores antes do IPO.

Isso ocorre porque mais e mais startups estão optando por adiar IPOs ou permanecer privadas por tempo indeterminado.

 Permanecer em sigilo por mais tempo possui certas vantagens para as startups:

As startups podem evitar investidores ativistas do mercado público, que podem tentar manipular executivos do mercado público ou até forçar executivos a sair da empresa.

As empresas podem evitar pagar de US$ 2 a 5 milhões em despesas e taxas contábeis envolvidas na divulgação das informações necessárias ao mercado público.

As startups podem evitar a pressão para obter ganhos trimestrais e se concentrar na criação de sua empresa para o sucesso a longo prazo.

As startups que decidem permanecer privadas geralmente arrecadam mais de US$ 40 milhões em rodadas de estágio final que servem como “quase-IPOs“, criando uma riqueza enorme para os investidores em estágio inicial.

Os investidores iniciantes bem-sucedidos estão sujeitos ao efeito Babe Ruth – eles se destacam muito, mas seus home runs o compensam.

No centro de toda estratégia de investimento em startups há muitos strikeouts (perdas totais), alguns home runs (10x – 50x) e alguns Grand Slams (50x – 250x +). Isso é difícil para a maioria dos investidores, porque as pessoas odeiam perder dinheiro.

De fato, economistas comportamentais descobriram que as pessoas se sentem piores por perder um valor em dinheiro do que se sentem bem ao fazer a mesma quantia.

Mas, para citar o VC (Venture Capital), Bill Gurley, “o capital de risco não é nem um negócio em casa. É um negócio de Grand Slam”.

E quando os investidores de sucesso estão obtendo retornos extremos sobre os resultados de bilhões de dólares em startups, as perdas diminuem em comparação com as vitórias.

Investidores individuais experientes e a VC praticam diversificação para aumentar suas chances de investir em uma empresa que produz um retorno exponencial do investimento.

Diversificação basicamente equivale ao velho ditado “Não coloque todos os seus ovos em uma cesta”.

É uma estratégia de investimento que envolve fazer vários investimentos menores em várias classes de ativos, em vez de afundar todo o seu capital em uma única oportunidade de investimento.

Um portfólio bem diversificado normalmente inclui investimentos em uma classe de ativos de alto risco e alta recompensa (como investir em startups), alguns investimentos de menor risco e menor retorno (por exemplo, patrimônio público) e investimentos mais estáveis (por exemplo, governo).

Dentro de cada classe de ativos, os investidores investem em uma variedade de oportunidades (ou seja, um investidor tem uma chance maior de investir em uma startup de topo se investir US$ 10.000 em dez startups, em vez de investir US$ 100.000 em uma única startup).

 As recompensas do investimento em startups:

 Diversificação: diversifique seu portfólio para incluir uma classe de ativos de alto risco e alta recompensa.

 Comunidade Empreendedora: apoie novos empreendedores e ajude as empresas nas quais eles acreditam ter sucesso.

 Rede: conheça e conecte-se com fundadores, outros investidores e membros ativos da comunidade tecnológica.

 Relevância: mantenha-se atualizado com as novas tendências tecnológicas e as principais startups emergentes.

 Retorno: potencial para obter retornos extragrandes, que excedem em muito os retornos de outros tipos de investimentos, se um investidor inicial financia uma startup bem-sucedida.

No próximo texto, vamos conhecer os tipos de financiadores de startups.

Se você gostou desse assunto sobre start-ups, não deixe de assistir a gravação da live que eu e o Daniel Nigri fizemos com João Kepler da Bossa Nova investimentos, realizada na última sexta feira, clique aqui.

Atenção

Em breve, distribuiremos um e-book gratuito sobre start-ups. Não perca!!