Será o declínio do império americano?

0
25

É inquestionável que o PIB e os gastos militares são importantes, mas também as redes de aliados e a “resiliência”.

Desde que os EUA alcançaram o auge do poder global após a Segunda Guerra Mundial, os próprios americanos temem que não continuem lá. Supostas ondas de “declínio” correram o país e o mundo após o Sputnik no final dos anos 1950, a Guerra do Vietnã, os choques do petróleo dos anos 1970, sem mencionar a ascensão do Japão nos anos 1980, a Guerra do Iraque e, finalmente, a crise financeira global dos anos 2000.

Agora, em meio a uma pandemia global e no início de uma batalha silenciosa com a China, a questão do declínio americano assumiu uma urgência renovada.

O problema com esses debates é que o poder é tão vago quanto essencial: pode ser terrivelmente difícil de medir fora de uma grande guerra. (Na guerra, é fácil: quem ganhou?)

Tradicionalmente, as medidas de potência focaram em atributos como população, consumo de energia e produção de aço ou outros indicadores de força industrial. Na era da informação, esses índices nos dizem relativamente pouco sobre se um país pode conseguir o que quer nos assuntos mundiais.

Ainda é comum, porém, avaliar o poder por meio de medidas contundentes, como produto interno bruto ou gastos militares. Analistas que argumentam que Pequim está ultrapassando os EUA costumam notar que o PIB da China pode em breve ultrapassar o dos Estados Unidos. Mas o PIB é relativo à atividade, e não uma medida da riqueza geral. Alguns países que gastam maciçamente em poder militar, como a Arábia Saudita, dificultam em projetá-lo.

Então, como podemos determinar o equilíbrio das vantagens das nações em uma longa rivalidade? O trabalho acadêmico inovador está nos dando melhores respostas.

A primeira categoria concentra-se em refinar nossa compreensão do poderio econômico e militar. Michael Beckley, do American Enterprise Institute, desenvolveu um modelo que mede o poder líquido em vez do poder bruto, contabilizando coisas como custos de segurança (“o preço que um governo paga para policiar e proteger seus cidadãos”) e custos de produção (quanto custa, em degradação material e ambiental, construir essa usina a carvão).

Ele descobre , sem surpresa, que os EUA se saem muito melhor do que a China, um estado autoritário com enormes custos de segurança interna e uma abordagem prodigiosamente esbanjadora para estimular o crescimento.

Da mesma forma, é fundamental que os americanos per capita PIB supera a da China, porque isso significa que os EUA têm mais riqueza, depois que alimenta sua população, para perseguir influência global. Outros trabalhos explicaram melhor como a riqueza se acumula ao longo do tempo e descobriram que os Estados Unidos ainda terão muito mais poder econômico geral do que a China, mesmo depois que o PIB da China eclipsar o dos Estados Unidos.

A segunda categoria captura melhor a realidade do “poder da rede”. Em um artigo marcante, publicado em 2019, Abraham Newman, da Georgetown University, e Henry Farrell argumentam que a centralidade do dólar para as redes financeiras internacionais – que persiste, apesar de décadas de disputa sobre seu declínio – dá aos EUA uma vantagem coercitiva descomunal. Os estudiosos também afirmaram algo que os formuladores de políticas há muito entenderam: os Estados Unidos estão muito acima de seu próprio peso nos assuntos globais, por causa da rede de parceiros militares, econômicos e diplomáticos que lidera. A China não tem nada equivalente.

A terceira categoria é responsável por formas menos tangíveis de poder. Durante décadas, os analistas perceberam que o soft power – o grau de admiração e emulação que um país inspira – é muito importante.

Um estudo intrigante de Ted Hopf, da Universidade Nacional de Cingapura, Bentley Allan, da Johns Hopkins, e Srdjan Vucetic, da Universidade de Ottawa, demonstra que, embora os índices de favorabilidade global da América tenham despencado sob a presidência de Donald Trump, continua a haver forte apoio global para a democracia e políticas econômicas de livre mercado.

É um golpe mortal para uma China autoritária e mercantilista que, preveem os autores, “dificilmente se tornará a hegemonia no curto prazo”. Também ajuda a explicar porque os Estados europeus estão sistematicamente se afastando de Pequim, mesmo em meio a uma enorme turbulência em suas relações com os EUA.

Então, tudo isso implica uma navegação tranquila para a superpotência reinante? Não necessariamente.

Os EUA poderiam esgotar o poder de sua rede abusando dela: o uso excessivo de sanções financeiras e barreiras comerciais, especialmente contra aliados, poderia encorajar os países a buscar formas de optar por não participar das redes que a América domina. (A União Europeia fez tentativas nessa direção depois que os EUA se retiraram do acordo nuclear com o Irã e ameaçaram aplicar sanções contra as empresas europeias que faziam negócios com Teerã.)

Se Washington deixar de liderar uma economia mundial aberta, como fez sob Trump, perderá parte da influência que vem com esse papel. E se os EUA prejudicarem sua democracia em casa, como o presidente está tentando desesperadamente fazer ao deixar o cargo, isso teria vastas implicações para o poder brando dos EUA no exterior.

Finalmente, há pelo menos uma categoria de poder em que os EUA estão lutando. Esse seria o conceito de “resiliência”. Um mundo globalizado cria vulnerabilidade a choques internacionais, sejam causados por instabilidade financeira, mudanças climáticas ou doenças. Resiliência é uma medida de quão bem um país pode se recuperar.

Os EUA demonstraram uma forma extremamente poderosa de resiliência durante a pandemia de coronavírus: seu setor privado fantasticamente inovador, em coordenação com o governo federal, está ajudando a tirar o mundo desse pesadelo com vacinas desenvolvidas em, bem, “velocidade de dobra”.

Mas o fato de que a sociedade dos Estados Unidos está tão incapacitada agora (milhões de crianças estão “frequentando” a escola de suas salas de estar ou de jantar), que as mortes per capita são relativamente altas em comparação  com o número de mortes em muitas democracias avançadas e que a polarização política também impediu que os americanos chegassem a um entendimento comum sobre a ameaça que a Covid-19 representa, é mais alarmante.

De acordo com as classificações de resiliência à pandemia da Bloomberg, os EUA estão apenas em 18º – bem atrás da China – em sua resposta à pandemia. É uma luz vermelha piscando em uma época em que tantas ameaças transnacionais testaram a capacidade de adaptação dos Estados Unidos.

Quanto mais aprendemos sobre poder, percebemos que os EUA ainda têm grandes vantagens na disputa pela liderança global. Quanto mais a pandemia continua, mais também aprendemos sobre as vulnerabilidades da América.

NÃO PERCA O EVENTO MAIS AGUARDADO DO ANO…

Nos dias 12 e 13 de dezembro, você acompanhará uma série de palestras online com especialistas do Mercado Financeiro sobre os principais investimentos para o ano que vem.

Conhecerá as melhores Ações e Fundos considerados explosivos para 2021, além de como identificar small caps descontadas e muito mais.

O evento é totalmente gratuito !!

Clique aqui para realizar a Inscrição no Evento que começa hoje ás 14h!

Quer ter acesso as nossas  carteiras? FIIs, Ações e outras áreas do site?