TikTok parece bobo, mas não é

0
19

Os Estados Unidos venceram a Guerra Fria exportando seus valores, e a China tem um plano semelhante para essa guerra nada fria.

Confesso que não era muito fã do TIK TOK  e passei o final de semana tentando entender  como funciona a alimentação de trechos de vídeo de pessoas comuns fazendo coisas malucas com seus cachorros, ou em suas cozinhas, ou na academia.

Trinta minutos de TikTok me deixaram com apenas uma pergunta: como isso pode ser uma ameaça à segurança nacional dos EUA?

A partir dessa pergunta eu comecei a me interessar mais pelo app e a verdade é que o TikTok não é apenas a vingança da China pelo século de humilhação entre as Guerras do Ópio e a revolução de Mao. Ele é o ópio – em que os filhos dos americanos ficam fascinados pela criatividade do império chinês.

Primeiro, a história por trás – que você precisará, se você, como eu, nunca tinha se interessado pelo app.

O ano é 2012, e Zhang Yiming, um empresário chinês de tecnologia que trabalhou brevemente na Microsoft, fundou a ByteDance Ltd. como um provedor de conteúdo voltado para smartphones. Seu agregador de notícias alimentado por inteligência artificial é um sucesso.

Em novembro de 2017 ele pagou US$ 1 bilhão por um aplicativo de sincronização labial chamado Musical.ly, que já tem uma crescente comunidade de usuários que se inclina para jovens (12 a 24) e está estabelecido nos EUA. Zhang, em seguida, funde Musical.ly com o seu próprio aplicativo de vídeo curto TikTok, conhecido na China como Douyin.

A coisa se espalha mais rápido do que a Covid-19: o TikTok agora tem 800 milhões de usuários ativos por mês em todo o mundo. E é muito mais contagioso: pouco menos da metade dos usuários adolescentes da internet nos Estados Unidos usaram o TikTok. Se fosse um vírus, seria a Peste Negra. Mas é um aplicativo, então ByteDance agora vale $ 100 bilhões.

Qual é o segredo do sucesso do TikTok?  Se olharmos os manuais de história da mídia veremos que “os humanos gostam mais de imagens do que de texto, e de imagens em movimento acima de tudo”.

Em segundo lugar, as ferramentas de criação de vídeo do TikTok são realmente “acessíveis e inspiradoras para videomakers não profissionais”.

Terceiro, ao contrário do Facebook, o TikTok não é uma rede social. É um feed de algoritmo baseado em inteligência artificial que usa todos os dados que pode obter sobre cada usuário para personalizar o conteúdo.

O TikTok alavanca a escala absoluta de conteúdo gerado pelo usuário e depende de seus algoritmos para garantir que os usuários não estão vendo apenas a nata da cultura.

Em outras palavras, pense no TikTok como um YouTube que prioriza os usuários de uma maneira geral e não no Facebook com vídeos legais. É uma entidade de entretenimento baseada em suposições da internet sobre abundância, não suposições de Hollywood sobre escassez.

Então, como não gostar?

Em fevereiro, o TikTok foi multado em US$ 5,7 milhões pela Federal Trade Commission por alegações de que havia coletado ilegalmente informações pessoais de crianças menores de 13 anos. Em abril, o aplicativo foi temporariamente proibido na Índia pelo Tribunal Superior de Madras por transportar conteúdo pornográfico infantil e falha na prevenção do cyberbullying. (A proibição foi revertida rapidamente.).

Mas a verdadeira dor de cabeça de Zhang estava em outro lugar. Em novembro passado, o Comitê de Investimento Estrangeiro nos Estados Unidos (conhecido como CFIUS) iniciou uma investigação sobre a aquisição da Musical.ly pela ByteDance, alegando que isso potencialmente afetava a segurança nacional dos Estados Unidos.

É sério isso?

Um aplicativo de vídeo para adolescentes é uma ameaça ao estado-nação mais poderoso do planeta? Bem, atualmente o CFIUS considera qualquer investimento chinês uma ameaça – em 2010, ele forçou a empresa de jogos chinesa Beijing Kunlun Tech Co. a vender o aplicativo de namoro gay Grindr.

Já escrevi neste espaço sobre a Segunda Guerra Fria. Bem, TikTok se tornou a última vítima do conflito sino-americano.

A Segunda Guerra nada Fria é bipartidária. Em outubro passado, o líder da minoria no Senado, o democrata Chuck Schumer, e o senador republicano Tom Cotton, em conjunto, pediram uma investigação de segurança nacional sobre o ByteDance.

A questão, eles disseram, é que, como uma entidade chinesa, a ByteDance está sujeita às regras de segurança cibernética da China, que estipulam que ela deve compartilhar dados com o governo chinês. O TikTok admite isso em sua política de privacidade: “Podemos compartilhar suas informações com uma controladora, subsidiária ou outra afiliada de nosso grupo corporativo.”

O primeiro aplicativo do ByteDance, Neihan Duanzi (“piadas internas”), foi fechado em 2018 pela Administração Nacional de Rádio e Televisão. Zhang teve que se desculpar por seu conteúdo ter sido “incomensurável com os valores fundamentais socialistas”. Ele prometeu solenemente que ByteDance iria “aprofundar ainda mais a cooperação” com o Partido Comunista Chinês.

Até o mês passado, o plano de jogo de Zhang era a separação voluntária da ByteDance da China. Como outros gigantes chineses da tecnologia, o ByteDance é uma “entidade de interesse variável” constituída nas Ilhas Cayman, posicionando-se para uma oferta pública inicial offshore em Hong Kong ou Nova York.

ByteDance afirma que todos os dados americanos do TikTok são armazenados em centros de dados dos EUA e com backup em Cingapura. A nomeação em maio de Kevin Mayer, um ex-executivo da Disney, como o novo presidente-executivo da TikTok e diretor de operações da ByteDance, foi o sinal mais claro de para onde Zhang estava indo.

Então, o presidente Donald Trump destruiu o plano de jogo de Zhang.

Em 31 de junho, ele ameaçou banir o TikTok nos Estados Unidos. Na segunda-feira, quando a Microsoft apareceu para comprar as operações da TikTok nos Estados Unidos, Trump fez a sugestão caracteristicamente heterodoxa e provavelmente ilegal de que o governo dos Estados Unidos deveria receber algum tipo de taxa de acordo. “É um pouco como o locatário”, explicou o ex-desenvolvedor imobiliário do Queens. “Sem um contrato de arrendamento, o inquilino não tem nada. Então, eles pagam o que é chamado de ‘dinheiro chave’ ou pagam algo.”

Então, na sexta-feira, Trump emitiu uma ordem executiva proibindo o TikTok nos Estados Unidos em 45 dias, a menos que seja vendido a uma entidade não chinesa. (O aplicativo de mensagens ainda mais popular da Tencent Holdings Ltd, WeChat, também será banido.).

Por mais que seu conteúdo possa parecer vazio, o TikTok apresenta uma boa ameaça: aquela que representa para o superpoderoso e sub-regulamentado Facebook Inc., que o Departamento de Justiça nunca deveria ter permitido a aquisição do Instagram e do WhatsApp.

TikTok comeu o almoço do Facebook como plataforma para vídeo, o que levou o fundador do Facebook, Mark Zuckerberg, a tentar roubá-lo com o Reels – lançado na quarta-feira – da mesma forma que o Instagram’s Stories roubou o Snapchat.

Aconteça o que acontecer, os Reels não devem ter sucesso. O Facebook também não deve se tornar o proprietário do TikTok. A enorme influência do Facebook na esfera pública americana é uma ameaça à segurança nacional americana.

A resposta chinesa ao ataque americano à TikTok revela o jogo. No Twitter, Hu Xijin, o editor-chefe do Global Times, controlado pelo governo, chamou a medida de “roubo aberto”, acusou Trump de “transformar a América justa de outrora em um país desonesto” e alertou que “quando coisas semelhantes acontecerem uma e outra vez, os EUA darão passos mais perto de seu declínio.”

Ah sim, mais uma vez volta assombrar o declínio e a queda do imperialismo americano.

Em um ensaio revelador publicado em abril passado, o teórico político chinês Jiang Shigong, professor da Escola de Direito da Universidade de Pequim, expôs a natureza imperial da ambição da China.

A história mundial, argumentou ele, é a história dos impérios, não dos estados-nações, que são um fenômeno relativamente recente. (A propósito, essa tem sido minha opinião há muito tempo.).

“A história da humanidade é certamente a história da competição pela hegemonia imperial”, escreve Jiang, “que gradualmente impulsionou a forma dos impérios de sua natureza local original em direção à tendência atual em direção a impérios globais e, finalmente, em direção a um único império mundial”.

A globalização de nosso tempo, de acordo com Jiang, é o “império mundial único 1.0, o modelo de império mundial estabelecido pela Inglaterra e pelos Estados Unidos”. Mas esse império anglo-americano está “se desintegrando” internamente por causa de “três grandes problemas insolúveis: a crescente desigualdade criada pela economia liberal, governança ineficaz causada pelo liberalismo político e decadência e niilismo criados pelo liberalismo cultural”. (Pensando bem, também concordo com isso.).

Além disso, o império ocidental está sob ataque externo da “resistência russa e competição chinesa”. Esta não é uma tentativa de criar um império eurasiano alternativo, mas “uma luta para se tornar o coração do império mundial”.

A China tornou-se com sucesso a oficina do mundo, como costumávamos ser. Agora tem uma Weltpolitik conhecida como One Belt One Road,  um vasto projeto de infraestrutura que se parece muito com o imperialismo ocidental, conforme descrito por JA Hobson em 1902.

A China usa o prêmio de acesso a seu mercado para exercer pressão sobre as empresas americanas para concordarem com a política chinesa. Realiza “operações de influência” em todo o Ocidente, incluindo os EUA.

Uma das muitas maneiras pelas quais os Estados Unidos tentaram minar a União Soviética na Primeira Guerra Fria foi travando uma “Guerra Fria Cultural”.

Em parte, tratava-se de ser visto vencendo os  soviéticos em seus próprios jogos: xadrez (Fischer v Spassky); balé (deserção de Rudolf Nureyev); hóquei no gelo (o “Milagre no Gelo”, de 1980). Mas tratava-se principalmente de seduzir o povo soviético com as irresistíveis tentações da cultura popular americana.

Em 1986, o filósofo esquerdista francês e companheiro de armas de Che Guevara, Jules Régis Debray, lamentou: “Há mais poder na música rock, vídeos, jeans, fast food, redes de notícias e satélites de TV do que em todo o Red Exército.” A esquerda francesa zombou da “colonização da coca”. Mas os parisienses também bebiam Coca.

Agora, entretanto, a situação mudou.  O bilionário da tecnologia Peter Thiel usou um aforismo memorável: “A inteligência artificial é comunista, criptografia é libertária”. TikTok valida a primeira metade disso.

No final dos anos 1960, durante a Revolução Cultural, as crianças chinesas denunciaram seus pais por desvios de direita. Em 2020, durante o bloqueio da Covid-19 e os protestos Black Lives Matter, adolescentes americanos postaram vídeos de si mesmos repreendendo seus pais por racismo. E eles fizeram isso no TikTok.

O Twitter, não a Microsoft, deveria comprar o TikTok.

Vamos ser sinceros, não faz sentido para a Microsoft Corp. comprar o TikTok.

É incontestável que a compra do Tik Tok  ajudaria a gigante do software dos EUA a “voltar ao jogo” da mídia social e da publicidade.

A Microsoft é uma empresa de 45 anos que se afastou das vendas para os consumidores há muito tempo. Mas até mesmo o fundador, Bill Gates, que não tem mais um papel ativo, vê o Tik Tok como um “cálice envenenado”.

A Microsoft agora gera apenas um terço de sua receita de “computação mais pessoal”, em comparação com 46% cinco anos atrás.

De acordo com o Wall Street Journal, O Twitter Inc. também teve conversas preliminares e,  como comprador, faz muito mais sentido.

A resposta óbvia é que a empresa de mídia social já teve sua chance com o Vine 1 e estragou, e não deveria desperdiçar seu dinheiro tentando novamente. Essa é uma avaliação razoável. No entanto, a história mostra muitos exemplos de empresas que falharam com seus próprios produtos apenas para comprar um serviço semelhante a um preço inflacionado.

O mais famoso é o Google. Antes de se chamar Alphabet Inc., ela tinha um serviço chamado Google Video, que lutava para ganhar força. Se tivesse continuado com o argumento “tentamos e fracassamos”, nunca teria comprado o YouTube – um ano após o lançamento do Google Video – por $ 1,65 bilhão. Esse negócio se tornou um de seus mais importantes, além dos anúncios de pesquisa simples.

Na verdade, a abordagem “se você não pode vencê-los, compre” é uma estratégia de negócios legítima, e o Twitter definitivamente precisa de algumas novas estratégias. As contas com os principais seguidores são Barack Obama, Justin Bieber, Katy Perry e Rihanna e apenas um deles tem menos de 30 anos, e nenhum é particularmente moderno para o público com menos de 25 anos.

O TikTok seria o produto perfeito para estender o alcance do Twitter para públicos mais jovens, ampliando não apenas sua base de visualizadores, mas também os anunciantes que desejam alcançá-los. Também ofereceria às agências e compradores de anúncios uma alternativa mais forte ao Facebook Inc. e à Alphabet, que fazem um trabalho melhor ao entregar anúncios a um conjunto demográfico mais amplo.

Importante lembrar que o aumento no uso do Twitter provavelmente não resultará em soluções de longo prazo para seu principal problema: a monetização. Uma integração com o TikTok poderia criar uma potência de vendas cruzadas dos gostos do Facebook e do Alphabet.

Seria fácil descartar a ideia porque o Twitter é muito pequeno, com valor de mercado de apenas US$ 29 bilhões, em comparação com as avaliações do TikTok, que chegam a US$ 50 bilhões. Já escrevi que o TikTok, especialmente a fatia que a Microsoft está oferecendo, não vale nem perto disso.

Mais importante, o Twitter não precisa ser tão grande, ele apenas precisa ser capaz de encontrar dinheiro para comprá-lo. Ela tem US$ 7,8 bilhões em caixa e investimentos de curto prazo e trouxe US$ 762 milhões em fluxo de caixa livre no ano passado. No momento, o dinheiro está circulando no sistema financeiro, e seria muito fácil formar um consórcio de financistas dispostos a bancar o resto do dinheiro. Além disso, a compra da TikTok seria um motivador tão positivo para as ações que ela também poderia se safar vendendo ações.

Talvez o maior benefício em adquirir o negócio da TikTok nos EUA, se não tudo, seria a chance de finalmente conseguir um CEO em tempo integral. De qualquer forma, muitas compras são apenas aquisições. Kevin Mayer, o ex-executivo da Walt Disney Co. que foi contratado para dirigir a TikTok, poderia atuar como co-CEO (ou talvez diretor de operações), ao lado do atual chefe de meio período Jack Dorsey, que divide o tempo com a Square Inc. Isso permitiria uma saída fácil para Dorsey em algum momento no futuro.

E vamos encarar os fatos, para os investidores do Twitter, que a mudança de gestão por si só valeria qualquer preço anexado.

Tecnicamente, o Twitter comprou o Vine logo após sua fundação e antes do lançamento do aplicativo de vídeo reduzido.

AS 10 EMPRESAS INTERNACIONAIS QUE VOCÊ PRECISA CONHECER

  • COMO INVESTIR NO EXTERIOR
  • SUA CARTEIRA DIVERSIFICADA
  • O PASSO A PASSO COMPLETO

Clique no link e ganhe o seu E-book

Você conhece os nossos planos de assinaturas?

Veja todas as possibilidades de planos e escolha de acordo com seu perfil

Clique e conheça a página dos planos e possibilidades