Atacar a China é a estratégia para presidência americana 

0
43

Os EUA e a China estão indo além das ameaças comerciais e trocando socos regulatórios que ameaçam uma ampla gama de indústrias, incluindo tecnologia, energia e viagens aéreas.

O conflito está começando a deixar as empresas nervosas, pois o cenário comercial delas pode mudar.

Existe muitas indústrias nas quais as empresas americanas fizeram apostas de longo prazo no futuro da China, porque o mercado é tão promissor e tão grande. Agora, elas estão “reconhecendo o risco”.

A China tentará evitar medidas que possam sair pela culatra. Quaisquer sanções contra empresas americanas seriam um “último recurso”, porque a China precisa desesperadamente de investimentos estrangeiros de países ricos, por razões econômicas e políticas.

Espera-se que a pressão se intensifique antes das eleições nos EUA em novembro, enquanto o presidente Donald Trump e o candidato democrata Joe Biden justificam uma linha mais dura com a China.

Trump culpou a China por encobrir a pandemia de coronavírus que ele ridicularizou como “Kung Flu”, acusou Pequim de “espionagem ilícita para roubar nossos segredos industriais” e ameaçou que os EUA pudessem buscar uma ” dissociação completa ” do país.

Biden, da mesma forma, descreveu o presidente Xi Jinping como um bandido, rotulou a detenção em massa de muçulmanos uigures como inconcebível e acusou a China de práticas comerciais predatórias.

No Capitólio, republicanos e democratas estão juntos em sua oposição à China, com os parlamentares ansiosos para tomar medidas contra Pequim por lidar com o Covid-19, transferências forçadas de tecnologia, abusos aos direitos humanos e seu aperto cada vez mais forte em Hong Kong.

Está claro que a China será um saco de pancadas na campanha, mas a China é um saco de pancadas que pode revidar.

A China rejeitou repetidamente as acusações dos EUA por lidar com a pandemia, os uigures, Hong Kong e o comércio, criticou o governo Trump por minar a cooperação global e acusa os EUA de tentarem iniciar uma “nova guerra fria”.

O ministro das Relações Exteriores Wang Yi disse no mês passado que a China não tem interesse em substituir os EUA como potência hegemônica e ambos os países já adotaram uma série de medidas regulatórias destinadas a proteger a participação de mercado.

Os EUA estão citando preocupações de segurança ao impedir que a China Mobile Ltd., a maior operadora de celular do mundo, entre no mercado americano. Ele seleciona drones fabricados na China a partir de frotas do governo e desencoraja a implantação de transformadores chineses na rede elétrica.

O governo Trump também tentou restringir o alcance global da chinesa Huawei Technologies Co., maior fabricante mundial de equipamentos de telecomunicações.

Enquanto isso, a China impediu-os vôos das companhias aéreas americanas no país por mais de dois meses e, depois que os EUA impuseram restrições de visto a jornalistas chineses, expulsou jornalistas americanos.

A China também dificulta há muito tempo as empresas de telecomunicações dos EUA entrarem em seu mercado, exigindo que as operadoras estrangeiras invistam com empresas locais e exigindo autorização do governo central.

Um dos pontos mais inflamáveis ​​foi a campanha do governo Trump para conter a Huawei, tentando limitar os negócios da empresa nos EUA e pressionar os aliados a evitarem seus equipamentos em suas redes.

A Comissão Federal de Comunicações dos EUA decidiu impedir que dispositivos fabricados pela Huawei e ZTE Corp. fossem usados ​​em redes americanas e o Departamento de Comércio americano colocou a Huawei em listas negras destinadas a prevenir a empresa chinesa de usar a tecnologia dos EUA para os chips, incluindo tecnologia de fornecedores Qualcomm Inc. e Broadcom Inc .

A Huawei estava em uma lista que o Pentágono divulgou na semana passada de empresas que pertencem ou são controladas pelas forças armadas da China, abrindo-as para um maior escrutínio.

Depois que as novas restrições foram anunciadas, o editor do jornal Global Times, do Partido Comunista, tuitou que a China retaliaria usando uma “lista de entidades não confiáveis” que ameaçou pela primeira vez no auge da guerra comercial no ano passado.

Embora a China não tenha identificado empresas a lista, o Global Times citou uma fonte próxima a o governo chinês, dizendo que os mensageiros dos EUA, como Apple Inc. e Qualcomm, poderiam ser alvos.

A repercussão pode se estenderá empresas fortemente dependentes das cadeias de suprimentos chinesas, bem como a marcas voltadas para o consumidor chinês ansiosas por expandir as vendas na Ásia.

A Boeing Co., que registrou US$ 5,7 bilhões em receita da China em 2019, e a Tesla Inc., a maior montadora dos EUA operando de forma independente na China, estão entre as empresas mais expostas se as relações azedarem ainda mais.

Já é nosso assinante?

Pra ter acesso as nossas carteiras de ações, FIIs, análises das empresas e aos relatórios, escolha um plano. (clique aqui  pra ver mais).

Já participa do nosso grupo do Telegram?

Videos, informações e novidades vem aí.

Link do grupo