Donald Trump – EUA X CHINA

0
230
trump-capa

Donald Trump – EUA X CHINA

Em clima de Game of Thrones, o Presidente dos Estados Unidos, Donald Trump resolveu subir a temperatura da tensão com os Estados Unidos.

Em abril, havia uma Repercussão positiva com as rodadas recentes de negociações entre EUA e China; mesmo que a Reunião entre Donald Trump estivesse ainda sem data. Até domingo dia 05/05 não havia um avanço concreto em pontos que resultariam suspensão permanente de medidas protecionistas adicionais.

O cenário

Esse cenário mudou completamente após Donald Trump ter afirmado ontem, no Twitter, que aumentará de 10% para 25% a tarifa de importação sobre US$ 200 bilhões de produtos chineses a partir da próxima sexta-feira. Segundo o presidente norte americano, as negociações comerciais com Pequim estariam indo “muito devagar”, sendo que na verdade o tom dos chineses era de “renegociação”.

donald trump

 

Já a China manifesta a possibilidade de não comparecer à capital dos EUA nesta sexta-feira, como era previsto. Até o presente momento, a China mantinha uma posição conciliadora, buscando uma cooperação entre países, onde representantes do governo Chinês iriam costurar um acordo a pedido de Xi Jinping.

 

Guerra comercial

Com os novos tweets de Donald Trump, Podemos concluir que trata-se de uma sinalização  de que a guerra comercial dos Estados Unidos contra a China ainda está muito longe de acabar.

Também é possível afirmar que essas novas declarações acabam com a suposta trégua iniciada em dezembro do ano passado refletindo a frustração do presidente norte americano e as conversas com a China. A Casa Branca adotou uma postura mais dura principalmente quanto ao assunto da tecnologia, sendo a questão principal a exigência do fim das barreiras já existentes e também, a garantia de que não haveriam novas taxas.

 

Entendendo a raiz do problema:

O Twitter de Donald Trump representa um balde de água fria, principalmente para quem esperava o fim da guerra comercial e adiciona incerteza ao cenário econômico.

Seria apenas um blefe ou mais um capítulo dessa guerra comercial envolvendo Estados Unidos e China?

Vejo vários debates acalorados envolvendo os nossos principais parceiros comerciais. Mas afinal, Por que não tentamos entender a raiz do problema?

 

Quer ter acesso a nossas carteiras de Ações?

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente e conheça as carteiras da Área de Membros!

 

Liderança americana

Por mais de um século, os Estados Unidos têm liderado como uma potência financeira mundial. Entretanto, podemos testemunhar uma mudança antes do esperado, pois A terra do Tio Sam tem sido um país que gasta muito mais dinheiro do que pode. O déficit do Governo americano embora esteja menor existe há pelo menos 10 anos como mostra o gráfico abaixo:

donald-trump

 

Já a China tem dado uma aula de finanças, pois ela tem guardado dinheiro por anos e a maioria das famílias na China possuem reservas de dinheiro e, consequentemente, o país também possui.

Quando os Estados Unidos precisavam de dinheiro, para quem pediram? Para a China, é claro, que só estava disposta a comprar títulos do governo americano e a estender créditos.

 

China

Ter bilhões e trilhões de dólares americanos em títulos (estima-se que são mais de 2 trilhões de dólares apenas em títulos públicos americanos nas reservas chinesas), fez com que a China pudesse manter o valor do seu dinheiro baixo e os seus bens baratos.

Antigamente, os EUA ajudavam os outros países. Pode ser difícil entender o dinheiro, e ainda mais difícil controlá-lo, e parece que os EUA estão perdendo esse controle. Os Estados Unidos gastaram ao invés de guardarem, e não protegeram suas finanças.

Originalmente, os EUA aproveitaram sua relação com a China, mas agora essa relação de crédito tornou-se a raiz do problema e o motivo dessa guerra comercial. Antes de pensar que o Donald Trump não gosta dos Chineses, precisamos entender que enquanto a China guardou todo seu dinheiro e a América gastou.

 

Conclusão

Quem tomou dinheiro emprestado, tem que pagar, certo? De acordo com o Twitter do presidente dos Estados Unidos, isso não será bem assim

Trata-se de apenas um blefe, o tiro parece ter saído pela culatra, com os chineses se retirando da mesa e se recusando a negociar com uma arma apontando para suas cabeças, podendo ainda retaliar qualquer medida dos EUA.

E agora?

Como fica o Brasil no meio dessa briga entre as principais potencias? Qual seria a maior consequência para o investidor brasileiro? Como você pode se beneficiar?

Como consequência disso, de forma geral, haverá uma perda para o mercado, mas é hora de as empresas brasileiras se movimentarem, porque EUA e China vão buscar outros fornecedores

Além de ter um mercado consumidor gigantesco, a China é o maior parceiro comercial do Brasil, sendo responsável por 25% da balança comercial brasileira, de exportação e importação. Além disso, em 2017, cerca de 15% dos investimentos diretos estrangeiros no Brasil foram feitos por empresas chinesas.

 

O Agronegócio brasileiro

Podemos afirmar que um dos principais beneficiados dessa guerra comercial será o Agronegócio brasileiro. A China precisa, diariamente, colocar cerca de 4,5 bilhões de refeições nas mesas de sua população, considerando apenas as refeições essenciais (café da manha, almoço e jantar). Somente este dado já nos mostra o potencial que o agronegócio brasileiro tem dentro da estratégia chinesa de garantir a alimentação de população.

Já os EUA importam do Brasil sobretudo aviões, semimanufaturados de aço e alumínio e petróleo bruto. As exportações brasileiras para os americanos movimentaram US$ 26 bilhões no ano passado, segundo dados do MDIC.

No entanto, desde que foi anunciada a sobretaxação do aço nos EUA para afetar a China, afetou negativamente o Brasil. As siderúrgicas brasileiras já perderam mais de R$ 1,9 bilhões desde q foi anunciada essa notícia no início do ano.

A CSN e Usiminas foram fortemente feridas. Já a Gerdau foi a menos impactada, pois tem operações também nos EUA e a Vale também pela qualidade do minério de ferro.

As tensões irão evoluir mais e o ideal é procurar  suporte de uma boa empresa de research, como o Dica de Hoje, clique aqui e saiba mais para que você tenha de investimentos especializada em gerenciamento de risco e planejamento financeiro para converter os possíveis abalos dessa guerra comercial  em bons rendimentos.

Debora Toledo