LAME4: Lojas Americanas Resultado do 3T19

0
50

As lojas Americanas (LAME4) listada na Bolsa de Valores desde 1940, ela figura entre os principais players de varejo do País. Segundo o Ranking 2019 da IBEVAR (Instituto Brasileiro de Executivos de Varejo e Mercado de Consumo) FIA (Fundação Instituto de Administração), ela está em quinto lugar, com R$ 20,8 bilhões de faturamento (2018).

Foi inaugurada em Niterói, no Rio de Janeiro, em 1929, por John Lee, Glen Matson, James Marshall e Batson Borger, norte-americanos de nascimento, sob o slogan “Nada além de dois mil réis”. Hoje possui 1582 lojas, a maior parte na região sudeste; no total, as Lojas Americanas (LAME4) está presente em 664 cidades em todos os estados do País. As lojas estão divididas em:

  • 888 tradicionais
  • 648 express
  • 46 conveniências

Possui quatro centros de distribuição, localizados em: Uberlândia, Recife, São Paulo e no Rio de Janeiro. Além da rede de lojas físicas das Lojas Americanas (LAME4), a empresa tem como controlada a B2W Digital, que é fruto da fusão da Americanas.com com o Submarino (na época, as duas representavam mais de 70% de mercado atendido), que ocorreu em 2006 e opera as marcas:

  • Americanas.com – maior loja on-line do País
  • Submarino – Pure player
  • Shoptime – maior canal de home shopping da América Latina
  • SouBarato – reembalados com descontos

Possui 46,6% das ações Free Float e 40% nas mãos dos controladores, com tag along de 100%. No total são 1.604.009.429 ações, sendo 1.064.065.799 preferenciais e 539.943.630 ações ordinárias.

 

Últimos Resultados Consolidados

  • GMV – R$ 7,6 bilhões – crescimento de 19,8% no comparativo anual
  • Receita Líquida – R$ 4,2 bilhões – crescimento de 7,7% no comparativo anual
  • Lucro Bruto – R$ 1,5 bilhão – crescimento de 11,4% no comparativo anual
  • Margem Bruta – 36,3% – crescimento de 1,2 p.p. na mesma base comparativa
  • Ebitda ajustado – R$ 757 milhões – crescimento de 8,7% no comparativo anual
  • Margem ebitda- 17,9% – crescimento de 0,2 p.p. na mesma base comparativa
  • Lucro Líquido – R$ 48,2 milhões – crescimento de 54,5% comparando com o mesmo trimestre de 2018
  • Margem líquida – 1,1% – crescimento de 0,3 p.p. na mesma base comparativa

 

Acompanhe abaixo os resultados da controladora e da B2W separadamente, retirados do release da Loja Americana (LAME4):

 

b2w_americanas

 

Como podemos observar na imagem, a B2W, que é a plataforma digital, cresceu o GMV em 28,4% na comparação anual, sendo que o GMV do Marketplace foi de R$ 2,8 bilhões, um aumento de 50,4%, e hoje representa 61,1% do GMV total.

Na receita bruta, ambas apresentaram crescimento similar – LAME4 de 8% e B2W de 9,2%. Na receita líquida – LAME4 7,2% de evolução e B2W 8%. O custo de mercadoria vendida e serviços prestados cresceu 7,4% na controladora.

Porém, no critério mesmas lojas, o percentual sobre a receita recuou de 6,8% no terceiro trimestre de 2018 para 5,2% neste trimestre, enquanto que o lucro bruto da LAME4 cresceu 7%, com a mesma margem bruta do ano passado; o lucro bruto da B2W cresceu 16%, aumentando a margem bruta de 30,5% em 2018 para 32,8% nesse trimestre, um aumento de 2,3%.

O mesmo comportamento pode ser percebido no ebitda: na LAME4, o crescimento foi de 7,2%, mantendo a margem estável; na B2W, o aumento foi de 15,3%, com a margem ebitda elevando 0,6p.p.

E no lucro seguimos com o mesmo cenário, sem grandes mudanças na B2W, que apurou um prejuízo de R$ 102,5 milhões no trimestre, um número 4,9% menor que o prejuízo de R$ 107,8 milhões do mesmo trimestre de 2018, e menor também que o prejuízo de R$ 127,6 milhões apurado no segundo trimestre de 2019. A LAME4 aumentou seu lucro em relação ao mesmo trimestre de 2018 em 54,5%, no valor de R$ 48,2 milhões, porém um valor menor que o apurado no segundo trimestre de 2019, que foi R$ R$ 112,7 milhões.

Acompanhe:

 

resultado-liquido-no-trimestre

 

Outro fator importante a ser analisado em relação ao resultado é a alíquota efetiva de IR e CSLL, que reduziu de 32,1% para 20,3% nesse trimestre, lembrando que aqui no consolidado temos a B2W que contabiliza prejuízos, logo tem aproveitamento de 30% para compensação em cada período. Inclusive existe uma ação tributária, que não está provisionada referente a esse assunto, onde a Loja Americana (LAME4) recebeu um auto de infração por suposto aproveitamento indevido de prejuízo fiscal e base negativa de CSLL.

Acompanhe os resultados dos últimos trimestres:

 

grafico-resultado

 

Veja a diferença de resultados devido à sazonalidade do setor no quarto trimestre do ano.

 

sazonalidade-do-setor-resultados

 

Veja que em 2012 a empresa alcançou uma margem líquida de 7%, já no quarto trimestre de 2014, quando ela alcançou um lucro líquido maior, a margem líquida recuou para 5%.

Por isso é preciso prestar atenção não somente ao número isolado, muitas empresas poderiam lucrar muito mais se fossem eficientes.

Caso você queira entender melhor o case da B2W, leia esse material com a última estratégia adotada pela companhia, a Americanas Mundo – B2W – Business To World.

 

Destaques do trimestre

Melhora de 10 dias no capital de giro líquido da companhia, ficando em 54 dias. Segundo a companhia, isso foi possível devido à redução de lead time e maior assertividade do estoque, possibilitando assim redução de 16 dias (giro estoque) e evolução de 3 dias do contas a receber. O capital de giro líquido consolidado recuou, ficando em -4 dias, uma redução de 21 dias na comparação com o mesmo trimestre de 2018, e isso melhorou os resultados finais da controladora.

Mas qual é o impacto da conta estoque no custo do varejo?

A relevância na composição do custo total é grande, e isso afeta diretamente as margens e influencia o retorno aos acionistas. Não possuir controle de estoque ou um giro elevado que cause perdas por avarias, ociosidade, interfere no lucro. Ou seja, analisar o comportamento dessa conta nos documentos é essencial para perceber o custo de oportunidade adotado pela empresa.

A dívida líquida/ebitda recuou de 2x para 1,5x com aumento do prazo médio de vencimento (reflexo do aumento de capital da B2W Digital), uma redução do endividamento líquido de R$ 1.230,7 milhões; já o endividamento bruto aumentou para R$ 17,3 milhões, em comparação aos R$ 16 milhões no mesmo trimestre de 2018.

Quando analisada somente a controladora Americanas, a dívida líquida subiu R$ 1.183,7 milhões, aumento de 0,5x, porém quando desconsiderado o aporte de capital na B2W, feito pelas Americanas (controladora), o endividamento líquido cairia R$ 380,8 milhões, fazendo com que a dívida líquida/ebitda recuasse para 1,4x, queda de 0,2x.

 

———————————————————————————————————–

Até o dia 15/11/2019, você pode ter acesso gratuitamente a nossa área de Podcast, basta inscrever-se neste link de Membros Bronze. Até o dia 15/11/2019, você terá acesso aos podcasts, às nossas análises na área Podcast e às carteiras calculadas. Sim, todas elas (Graham, PEG, P/L abaixo da média, dividendos, Piotroski, Greenblatt, P/VP x Roe e Barganhas). Não perca essa chance de testar nosso produto (clique aqui).

 

Veja abaixo o resultado das carteiras que você terá direito de acessar até o dia 15/11/2019.

 

carteiras

comparação-das-carteiras

 

Obs.: a Carteira Dica de Hoje não faz parte do Carteiras Calculadas e sim do Plano Dica de Hoje Ações. Esta, que foi a melhor do mês de outubro, não está incluída na promoção gratuita.

————————————————————————————————————

 

Marketplace

Por que as empresas estão aumentando cada vez mais o Marketplace?

Basicamente porque essa modalidade traz um retorno elevado com investimento relativamente pequeno, afinal, quanto maior o mix de produtos, a variedade ofertada de preços, maior será a quantidade de pessoas que acessam a plataforma e consequentemente a probabilidade de compra aumenta, além da margem ser maior nesses casos – basta analisar o percentual de receita vinda desta modalidade nas empresas.

O público atingido também aumenta decorrente dessa gama diversificada de opções disponíveis, fazendo com que a plataforma da empresa ganhe maior destaque quando o consumidor pesquisa um determinado produto na web, ou seja, o ganho ocorre por mais de uma variável, basta analisar que para determinados produtos sempre existirá na pesquisa uma empresa que aparece com frequência.

Quando você pesquisa um produto no buscador ou no site da loja, vários dos produtos que aparecem na listagem são vendidos na modalidade Marketplace, inclusive com a opção de dois ou mais fornecedores com preços e datas de entregas diferentes. Ou seja, opções maiores de escolha para o cliente e mais acessos para a plataforma e, quando ocorre a venda, uma boa margem para a empresa.

Observe o aumento significativo da parcela da modalidade nas receitas do negócio, assim como os investimentos em diferentes tipos de entrega que podem ser negociadas, isso faz muita diferença na geração de valor do processo principal. MGLU está um passo à frente nesse sentido, mas B2W está implementando cada vez mais essas operações, então fique atento a esses detalhes.

Para termos uma ideia do tamanho desse negócio:

“B2W Marketplace conectou mais de 7,7 mil novos sellers no 3T19, saindo de uma base de 31,0 mil sellers em junho/19 para mais de 38,7 mil sellers em set/19. A base de sellers aumentou em 2x do 3T18 para o 3T19 (de 18,8 mil para 38,7 mil sellers)”.

 

Estratégias

  • AME – fintech e plataforma de negócios mobile, que conta com  4,8 milhões de downloads, e a empresa fechou um acordo com a Linx, assim cerca de 65 mil estabelecimentos que usam o Linx Pay passarão a aceitar Ame. Lembrando que o plano da empresa é que até o final do ano todas as lojas físicas da marca aceitem também, hoje 1337 já aceitam; parceria com a Mastercard, para oferta do cartão pré-pago da Ame, possibilitando o uso dele nos 7,8 milhões de estabelecimentos credenciados da Mastercard, e parceria com a VETX.
  • Parceria firmada com a Disney para o desenvolvimento de produtos licenciados exclusivos.
  • O2O (Online to Offline) – “Tudo. A toda hora. Em qualquer lugar.”, esse modelo é o mesmo usado pelo Grupon, por exemplo. O objetivo é usar a plataforma online e atrair os potenciais clientes para o consumo na loja física.

Através das iniciativas:

  • Click and Collect Now – (em até uma hora a retirada).
  • Ship from Store – compra e recebe em até duas horas.
  • Click and Collect – compra online e retira na loja física.
  • Prateleira Infinita – venda nas lojas para os produtos da plataforma digital.

Quer ter acesso a nossas carteiras de Ações?

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente e conheça as carteiras da Área de Membros!

 

Concluindo

A gestão dos estoques é essencial na composição do lucro/prejuízo do negócio. A função de qualquer boa gestão é garantir um giro de estoque rápido dos produtos sem permitir falta de estoque e, consequentemente, falhas no atendimento da demanda.

Reduzir níveis de estoque não é mais uma questão de escolha, é uma necessidade, afinal, quanto maior a concorrência, maior a necessidade de usar o preço para não perder mercado e manter volume, o que inevitavelmente acaba pressionando a margem ainda mais caso os custos de estoque não estejam sob controle.

Os custos de manutenção dos estoques são altos e reduzi-los é essencial, portanto fique atento a isso ao ler os resultados, e não considerar essas variáveis acarreta prejuízos, pois acaba gerando falhas na oferta, logo o consumo não existirá (tempo e lugar certos), tornando assim parte do estoque obsoleto, com avarias, perdas que geram inutilização do consumo e, obviamente, tudo isso pesa no resultado final.

As Lojas Americanas (LAME4) tem história, já viveu momentos ruins em relação à distribuição/capacidade de atendimento de demanda (2010/2011), apurou alguns prejuízos, mas assim como a Via Varejo, sobre a qual escrevemos na semana passada e está disponível na área de podcast, é uma gigante em termos de faturamento, porém precisa ser mais eficiente para gerar lucro.

Ela negocia hoje:

P/LP/VPALPADív.Bruta/PLROIC
86x6,75x0,244,03x12,1%

 

A receita líquida da companhia nos últimos 12 meses foi de R$ 18,1 bilhões, e o lucro líquido de R$ 380,2 milhões, também nos últimos 12 meses.

Informação é dinheiro, mas é preciso saber o que fazer com ela.

Patrícia Rossari

Analista de Negócios – Especialista em Logística