Você já ouviu falar em EWZ? Também conhecido como Ibovespa dolarizado, é o maior Exchange Traded Fund (ETF) do Brasil e ganha cada vez mais destaque no mercado financeiro. O EWZ permite investir em ações brasileiras negociadas fora do país, especificamente nos Estados Unidos. Porém, ao contrário do que pode parecer, não se trata de um investimento de risco elevado.

EWZ – iShares MSCI Brazil. O que é?

Negociado no mercado americano, o EWZ – iShares MSCI Brazil é o Exchange-Traded Fund (ETF) mais líquido do mundo ligado às ações brasileiras. Também chamado de “Ibovespa dolarizado”, este fundo de índice aplica nas ADRs das empresas de maior peso no Ibovespa, com o objetivo de replicar o desempenho do principal índice da bolsa de valores do Brasil. Isso significa que, quando o Ibovespa sobe, o EWZ tende a valorizar na mesma proporção, e quando o Ibovespa desce, o EWZ tende a desvalorizar na mesma proporção.

Logicamente, pelo fato de representar o Ibovespa em dólar, a variação do dólar é outro fator que influencia diretamente na cotação do EWZ. Uma alta do dólar pressionará a cotação do ETF para baixo, e uma queda no dólar pressionará a cotação para cima. Isso significa que a variação percentual do EWZ nem sempre será exatamente a mesma do Ibovespa, pois a cotação também se ajusta à variação cambial.

Analisar o EWZ pode ser útil para, por exemplo, verificar o “tamanho do apetite” dos investidores estrangeiros pelo Brasil. Além disso, é muito interessante acompanhar o desempenho deste ETF quando a bolsa de valores brasileira está fechada por conta de algum feriado, pois costuma dar indícios de como será a abertura do Ibovespa no pregão seguinte.

Como é composta sua carteira?

A carteira do EWZ é composta por 98,85% de ações em seu portfólio. Veja, a seguir, a estrutura dos investimentos separada por áreas.

Principais coeficientes do setor

•             financeiro: 34,38%;

•             energia: 13,83%;

•             matéria-prima: 12,43%;

•             consumo não cíclico: 12,41%;

•             indústria: 54%;

•             consumo cíclico:7,16%;

•             serviços: 6,14%;

•             saúde: 2,57%;

•             serviços de comunicação: 2,55%.

Em média, são 62 empresas brasileiras que englobam a carteira do EWZ. Na sequência, conheça as 10 principais, suas siglas no pregão e as porcentagens no total de ativos do índice.

Empresas que fazem parte do fundo

•             Vale SA (VALE3.SA): 10,59%;

•             Itau Unibanco Holding SA Participating Preferred (ITUB4.SA): 8,73%;

•             Bank Bradesco SA Participating Preferred (BBDC4.SA): 6,46%;

•             B3 SA – Brasil Bolsa Balcao (B3SA3.SA): 5,33%;

•             Petroleo Brasileiro SA Petrobras Participating Preferred (PETR4.SA): 4,46%;

•             Ambev SA (ABEV3.SA): 4,12%;

•             Petroleo Brasileiro SA Petrobras (PETR3.SA): 3,90%;

•             Itausa Investimentos ITAU SA Participating Preferred (ITSA4.SA): 2,77%;

•             Magazine Luiza SA (MGLU3.SA): 2,49%;

•             Weg SA (WEGE3.SA): 2,48%.

O MSCI apresenta ao menos 95% de seus ativos em valores mobiliários de seu índice subjacente. É ponderado pela capitalização de mercado e ajustado por flutuação livre. O EWZ também não é diversificado e ocupa o 55º lugar em todos os fundos cobertos pela MSCI ESG Fund Ratings.

De que forma analisar o EWZ

Esse ETF está sujeito ao Ibovespa e à taxa de câmbio. Logo, o seu desempenho será definido pela combinação do movimento entre essas duas variáveis.

Se o dólar subir e o Ibovespa cair, o EWZ cairá. Porém, se o câmbio desvalorizar e a bolsa se mantiver estável, o ETF subirá. Portanto, é necessário considerar sempre os dois fatores para entender o movimento do fundo.

A análise do EWZ pode indicar o grau de interesse dos investidores estrangeiros pelo Brasil. Além disso, ao acompanhar o seu desempenho nos finais de semana e feriados nacionais pode ser útil para estimar como será a abertura do pregão no próximo dia útil.

Desvantagens do ETF EWZ IShares MSCI Brazil

Além dos elementos positivos citados, também é interessante atentar a possíveis obstáculos do ETF EWZ IShares MSCI Brazil.

Saiba quais são eles!

Indisponibilidade

Para o investidor brasileiro, a mais óbvia das desvantagens é o fato de que ele só está disponível na bolsa americana. Para fazer o investimento é preciso abrir uma conta offshore (fora de seu país de origem).

Contudo, a opção pode não fazer sentido para alguns investidores. Afinal, existem alternativas na B3 que replicam o índice Ibovespa.

Taxa de administração

Os investidores que desejarem investir no EWZ precisarão pagar uma taxa de administração, que remunera o gestor. Apesar de seu valor não ser tão alto quanto outros fundos, ele pode impactar os ganhos.

Variação no preço das cotas

Mesmo que a exposição às oscilações de uma moeda forte apresente potencial de vantagens, ela também pode ser uma desvantagem. Isso porque o fato de a variação do dólar impactar diretamente o preço das cotas do EWZ pode prejudicar os ganhos dos investidores.

Assim, é preciso analisar os dois lados dessa situação.

Quando vale a pena investir?

O investimento em EWZ pode fazer sentido para diversos investidores. Ele abre o acesso às principais empresas do Brasil e, assim, pode servir bem a investidores internacionais. Contudo, é preciso analisar dois grandes fatores antes de tomar a decisão final.

São eles: perfil de investidor e objetivos. O EWZ é um ETF de renda variável, o que significa que o investidor deve estar disposto a correr alguns riscos. Em vista disso, os perfis mais indicados para esse tipo de investimento são os moderados e arrojados.

Por fim, é preciso conferir se os objetivos pessoais estão alinhados aos potenciais de ganhos e perdas do ETF. Em caso positivo, a praticidade e a gestão passiva desse veículo de investimento podem se destacar — em especial no caso de investidores iniciantes.

Desse modo, investidores com conta internacional podem aproveitar as vantagens do ETF EWZ IShares MSCI Brazil. Já os brasileiros que desejam acompanhar o indicador têm alternativas na própria bolsa nacional!

Mapa das Opções: últimos dias 

Pagina com informações completas

Marcelo Rabinovici

Meu nome é Marcelo Rabinovici, formei na PUC MG no ano de 2002, sou bacharel e licenciado em Geografia. Leciono há 20 anos e desenvolvi projetos na área do curso de Relações Internacionais. Há três anos conheci o canal "Dica de Hoje" e nesse período venho fazendo cursos de investimento em Educação Financeira. Meu papel nesse mundo de investimento é desenvolver Educação Financeira e ajudar quem está começando.