Panorama Semanal do setor de Petróleo e Gás natural (18 a 24 outubro/2020)

(Por: Leo Bittencourt)

– Produção da Petrobras caiu 45% em 10 anos na Bacia de Campos:

Estudo feito pelo Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos) feito a pedido do Sindipetro Norte Fluminense, revelou que de acordo com dados de julho de 2020, a parte do litoral fluminense da Bacia de Campos, que já foi a “estrela” em termos de produção da Petrobras, teve uma queda de 45% nos volumes de petróleo nos últimos 10 anos, e hoje opera com 21 unidades. Juntas, as plataformas produzem uma média diária de 659,4 mil barris de óleo equivalente por dia (boe/d). Em 2010, estas mesmas plataformas produziam 1,2 milhão de boe/d. Há 10 anos a Bacia de Campos representava 79% da produção nacional e hoje essa fatia é de 33%. O foco atual da Petrobras está sendo a produção no pré-sal que basicamente fica localizado na Bacia de Santos. (Eu explico a história da fundação da PETROBRAS e o início da exploração de petróleo na Bacia de Campos no livro Ouro Negro). (Fonte: Estadão Conteúdo)

– Estatal da Líbia aumentará produção de petróleo e exportação em portos:

A National Oil Corporation (NOC), estatal da Líbia do setor de petróleo, informa em comunicado nesta sexta-feira que retirará uma “força maior” de parte de suas operações hoje e que instruções foram dadas para iniciar os arranjos de volta dessa produção. A NOC diz que começará a produzir nos campos de duas companhias, Al-Waha e Al-Haruj, e que essa produção deve atingir o nível de 800 mil barris por dia dentro de duas semanas, superando 1 milhão de barris por dia dentro de quatro semanas. Também comentou que devem voltar a operar os portos de exportação do óleo de Ras Lanuf e Es Sider. A estatal também informou que não será possível agora retomar os níveis de produção anteriores ao fechamento das operações, devido as dívidas acumuladas no setor e a necessidade de verba para manutenções e reparos. O anúncio é feito no dia em que os lados rivais do conflito líbio assinaram um cessar-fogo permanente, qualificado como histórico pela Organização das Nações Unidas. Este comunicado resultou ontem numa forte queda nos preços do petróleo. (Fonte: Estadão Conteúdo)

– Consumo de Gás Natural em Santa Catarina supera recorde em setembro:

O mercado catarinense atingiu em setembro um novo marco: o consumo de gás natural chegou a 63.933.302 de metros cúbicos no mês, superando o último recorde de outubro 2018, quando o volume mensal foi de 62.903.823 de metros cúbicos. Após dois meses de queda no início da crise em março, um ciclo de crescimento no consumo de gás natural tem sido constatado desde maio. Em julho o patamar de consumo praticamente se igualou ao do período pré-crise; logo em seguida foi constatado o melhor resultado para o mês de agosto na história e em setembro foram consolidados os novos recordes. (Fonte: Jornal da Fronteira)

– Moçambique divulga proposta de fundo soberano para projetos de GNL:

O Banco de Moçambique publicou o seu modelo proposto para um fundo de riqueza soberana que espera receber cerca de US$ 96 bilhões dos projetos de GNL (gás natural liquefeito) que estão sendo construídos no país por empresas como a francesa Total. Os empreendimentos em Moçambique são os maiores investimentos privados já realizados na África e têm potencial para tornar o país o segundo maior produtor de GNL da África. A proposta afirma que os US$ 96 bilhões serão acumulados durante a vida útil dos projetos que têm previsão para iniciarem a produção de GNL em 2022. (Fonte: Mercado (mercado.co.ao))

– Estoques de Petróleo nos EUA:

Na última quarta-feira (dia 21/outubro) foram divulgados os números dos estoques semanais de petróleo bruto dos EUA pela agência “Energy Information Administration (EIA)”. Na semana passada foi registrado uma queda de -1,0 milhão de barris de petróleo bruto, bem em linha com a queda de -1,02 milhões de barris prevista pelos analistas. O estoque caiu em todas as últimas seis semanas, exceto uma, enquanto a economia tentava se recuperar após fechamentos relacionados à Covid no início deste ano. A EIA também surpreendeu os traders ao estimar que a produção de petróleo dos EUA caiu 9,9 milhões de barris por dia na semana passada, uma queda de 600.000 bpd em relação à semana anterior. (Fonte: Investing.com)

– Número de sondas americanas em atividades:

Ontem foi divulgado, pela empresa de serviços de energia Baker Hughes, a contagem do número de sondas de perfuração em atividade nos EUA. A contagem desta semana registrou um aumento de 6 novas sondas em relação semana passada, chegando a um total de 211 sondas de perfuração em atividade. Na semana passada esta contagem tinha alcançado 205 sondas. Há 6 semanas este número vem aumentando aos poucos. Aparentemente pode ser um sinal de retomada da produção americana de Shale-Oil. Vamos ficar de olho! (Fonte: EUA – Contagem de Sondas Baker Hughes – Investing.com)

– Panorama Semanal do preço do Barril do Petróleo:

Os preços do petróleo recuaram 2% nesta sexta-feira, acumulando perdas na semana, pressionado pela notícia de que a Líbia vai aumentar a produção da commodity e preocupações com a demanda causada pela crescente contagem de casos de coronavírus nos Estados Unidos e Europa. Além disso, os preços também foram influenciados pelo crescimento dos poços em atividade nos Estados Unidos.

Nesta semana, na segunda-feira, também aconteceu a reunião virtual do Comitê de Monitoramento Ministerial Conjunto (JMMC, na sigla em inglês) da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e aliados (Opep+). Em nota divulgada, o JMMC demonstrou preocupação com o impacto do avanço da pandemia de Covid-19 na recuperação econômica global, citando uma “desaceleração”. O comitê frisou que os países produtores de petróleo precisam se manter “vigilantes” por causa de “condições e perspectivas precárias do mercado”. Além disso, o comitê reiterou o compromisso dos membros da Opep+ com os cortes de produção acordados até dezembro de 2020, mas não fez menção a propostas para 2021.

Os contratos futuros do Brent para o mês de dezembro, terminaram o dia com uma queda de -1,93%, encerrando o dia negociados a US$ 41,64 o barril na Intercontinental Exchange (ICE), em Londres. Os preços do WTI para o mês de dezembro apresentaram uma queda de -2,19%, sendo negociado a US$ 39,75 o barril na Bolsa de Mercadorias de Nova York (Nymex). No acumulado semanal, a referência global Brent apresentou uma queda de -3% e a referência americana WTI queda de -2,76%. (Fonte: Reuters/Investing.com / Estadão Conteúdo)

Até a próxima semana!

Abraços

Leo Bittencourt

DESCUBRA O PODER EXPLOSIVO DAS SMALL CAPS! CONHEÇA A NOSSA NOVA CARTEIRA:

SMALL CAPS: A LISTA DAS AÇÕES MAIS EXPLOSIVAS DA BOLSA DE VALORES

Venha descobrir as ações que poderão se valorizar muito em pouco tempo!

ATENÇÃO TEMOS NOVIDADES!!! O Dica de Hoje lançou uma Área Internacional. Ela reúne boas estratégias em investimento que aplicam parte do patrimônio no exterior. Contam com profissionais qualificados e equipe competente. Uma opção mais viável para quem quer diversificar e investir lá fora.

Venha conosco nessa jornada e conheça os detalhes dessa nova área Premium!

Você já conhece a nossa conheça a nossa nova ESTRATÉGIA XEQUE-MATE?

Clique aqui e descubra a estratégia que permite aos grandes investidores lucros até mesmo durante a pior das crises. Conheça os detalhes da metodologia Anti-crise, provada e comprovada do DIVIDENDOS 3X, que pode multiplicar os rendimentos das ações (Mesmo em um ano de fracos Dividendos!).

Você conhece os nossos planos de assinaturas?

– Clique aqui e escolha um plano “Dica de Hoje” que que se adeque melhor a seu perfil!

Escolha um dos Planos “Dica de Hoje”:

– Plano “Ações – Dica de Hoje”: Plano mensal / Plano anual

– Plano “Combo Ações + FIIS – Dica de Hoje”: Plano mensal /  Plano anual

Você já adquiriu o nosso livro OURO NEGRO??

Clique aqui e tenha em mãos a incrível história do Petróleo da sua origem até os dias de hoje (incluindo notícias até dezembro de 2019)! São 160 anos de história com muitas curiosidades, fotos, e foi escrito de forma bem simples e descontraída!

 

 

Leonardo Bittencourt

Meu nome é Leo Bittencourt, tenho 37 anos, sou casado e pai de 1 filho. Sou formado em Ciência da Computação pela UFRJ e sou estudioso do setor de Óleo e Gás. Sou apaixonado por praias e pela vida simples do interior, especialmente por Minas Gerais, com suas serras, cafés e comidas artesanais. Como investidor comecei com 22 anos, comprando meus primeiros "pequenos" imóveis na cidade do Rio de Janeiro. De lá pra cá, me aventurei em alguns empreendimentos e entrei no Mercado de Ações em 2010 comprando minhas primeiras ações. Hoje a minha missão é ajudar pessoas levando maiores informações possíveis sobre investimentos, mercados e empresas!