E o múltiplo? Ele diz tudo o que tu precisas saber?

0
127
E o múltiplo? Ele diz tudo o que tu precisas saber?

E o múltiplo? Ele diz tudo o que tu precisas saber?

Investir em ações é acreditar no negócio, pelo menos quando o investimento tem como base a estratégia B&H, e muitos investidores não se adaptam aos modelos de precificação (preço justo).

Logo, analisam o ativo usando os múltiplos do negócio, ou seja, a relação do preço (que é determinado pelo volume/viés da massa/mercado).

Ou pelos números apresentados no Balanço ou DRE (que são no tempo passado/fotografia/estáticos).

 

Esse é o primeiro ponto a considerar:

Nunca esqueça que negócios não são feitos apenas do que já aconteceu.

E sim do que eles podem/conseguem fazer no presente/futuro (lembrem-se de CSNA – 2008, no auge, ou então BRFS – 2015).

Analisar um ativo para compra e manutenção em uma carteira exige que o investidor compreenda o dinamismo de um negócio.

E seus ciclos, para não ser pego de surpresa no meio do caminho.

 

Investir em renda variável é assumir riscos

Quanto maior o risco, maior a consciência que o investidor deve ter do quanto suporta perder.

Porém é fundamental lembrar que empresas/negócios são organismos expostos a variáveis externas e internas, muitas delas têm controle e outras não.

Logo, é preciso conhecer o que influencia os resultados, a gestão, as estratégias e as projeções.

Pois somente assim poderemos ter dados suficientes para não perder mais do que o risco natural do negócio.

Então, quando você analisar o Preço sobre Lucro, não basta apenas saber o conceito do múltiplo – é preciso compreender se o mercado está cobrando algo realista pelo negócio.

 

Explicando melhor:

P/L é a razão entre o preço da ação e o lucro por ação (LPA).

O LPA é o lucro líquido apurado pela companhia (passado) dividido pelo total de ações emitidas.

As fórmulas são muito simples, não é mesmo?

Tanto que é comum ouvirmos que um ativo com PL baixo é uma pechincha, e que deve ser aproveitada a oportunidade.

Porém sabemos que isso não é nem de longe verdade em todos os casos.

É preciso reconhecer se esse múltiplo não foi afetado por não recorrentes, por exemplo, ou então são empresas cíclicas/sazonais.

Ou ainda se você está comparando com empresas de outros setores.

 

Por ser uma razão entre duas variáveis, é preciso entender que a alteração em uma ponta muda a correlação entre elas.

Se a empresa aumenta/mantem o lucro, mas o mercado não acredita no setor naquele momento.

A tendência é o preço não acompanhar a evolução, criando assim momentos de PL mais baixo em um segmento de negócio.

Caso a empresa não aumente o lucro consideravelmente, mas o mercado projeta grandes resultados para aquele negócio/setor.

A tendência é de termos um número mais alto, exemplo das empresas de tecnologia ou ainda algumas indústrias, como a Natura, ou varejos, como a Renner.

E existem os casos onde o PL está negativo, caso da BRFS, que já comentamos aqui mais de uma vez.

Que mesmo com recuperação nos últimos trimestres, é o tipo de empresa onde devemos observar com cuidado a conta estoques.

Além de monitorar os números de projeção divulgados a nível doméstico e mundial dos estoques e da projeção de demanda dos produtos/commodities.

 

Afinal, a demanda é o que define a receita, os estoques maiores ou menores alteram a quantidade de produto no mercado.

E consequentemente, pressionam o preço, para baixo e para cima, interferindo diretamente no custo.

Enfim, se a empresa tem estoque demasiado, ela não produz toda a capacidade, e isso gera custo de manutenção, perda de estoque, comprometimento na diluição dos fixos, o que leva a um aumento do custo do produto vendido e, obviamente, leva a uma redução da margem.

 

Então não é apenas analisar o P/L baixo e ser um indicativo de oportunidade!

Tenho certeza que irei receber várias mensagens dizendo: mas isso é óbvio Patrícia, não tem necessidade de escrever sobre isso!

Na verdade, tem, principalmente em momentos assim, onde a maior parte dos ativos tem a cotação elevada, sem consideração aos fatores reais que suportam os resultados do negócio.

 

Para explicar melhor

Se você compra um ativo/negócio e paga por ele um lucro além do que ele tem estrutura física para apurar.

Qual é a mágica que o gestor irá fazer para tirar o restante do lucro da cartola?

Falei muito sobre isso nos podcasts lá da área de membros, no sentido de que uma empresa (usando indústria como exemplo) vai produzir a capacidade projetada, se houver demanda.

Caso a empresa decida expandir capacidade (seja com mais maquinário, um turno extra, ou aumentar a planta produtiva), somente irá ocorrer se houver demanda a ser suprida.

Então, se ela produz 1 milhão de peças ano e lucra 100 milhões, considerando que a geração de valor operacional seja a maior parte desse lucro, e ela decide aumentar a capacidade para 1,5 milhão de peças.

A lógica é que o lucro também aumente (principalmente porque estamos falando de escala/custo marginal).

A questão aqui é: será o suficiente para entregar a projeção estimada pelo mercado?

PS: O custo marginal reduz à medida que a produção aumenta (quantidade); assim os custos fixos se diluem em quantidades maiores (escala).

E o múltiplo? Custos e Benefícios

Obviamente que o mercado de renda variável vai negociar com ágio.

Ele nunca vai te cobrar de fato o que a empresa vale hoje, mas o que ela pode entregar de resultados se tudo caminhar conforme o planejado.

Mas é preciso compreender a diferença entre o que é viável bancar e o que é um risco excessivo.

Da mesma forma quando analisamos o P/VP e sua relação com os índices de rentabilidade.

Afinal estamos falando do quanto o mercado precifica a estrutura que é usada na geração de valor.

Em alguns tipos de negócio estamos falando de ativos tangíveis, em outros estamos falando dos ativos intangíveis.

E o goodwill no Balanço Patrimonial, pois eles são tão importantes quanto lucro para setores de serviço/tecnologia, por exemplo.

Então, ao analisar os múltiplos, lembre que eles são fruto de números retirados de apurações já ocorridas.

É preciso relacioná-los com as projeções, para compreender o que é viável e realista e o que é utopia nesse mercado feliz e otimista.

 

Resumindo:

  • Analise os números e compare com a capacidade da empresa em gerar valor.

Pergunte:

  • Existem estratégias/projetos de conseguir realmente aumentar o lucro em uma medida aproximada do que o mercado espera (precifica)?
  • O negócio possui margem saudável?
  • Market share está em expansão para suprir maior produção/venda? Ou estamos nos concentrando apenas em aumento de consumo devido ao aumento de renda (melhora econômica)?

 

E por fim, entenda que empresas em reestruturação tem risco maior, não são todas ruins.

Mas exigem uma margem de segurança adequada, e que muitas vezes os múltiplos não mostram bem o risco.

 

A atenção é a mais importante de todas as faculdades para o desenvolvimento da inteligência humana. Charles Darwin

 

Informação é Dinheiro.

Até a próxima semana

Patrícia Rossari

Especialista em Gestão de Negócios – Logística

https://www.facebook.com/dicadehoje7/