A correlação com o desempenho das commodities se quebra

Para investidores em mercados emergentes, o manual é familiar há décadas: quando os preços das commodities sobem, o mesmo ocorre com as ações de mercados emergentes e vice-versa.

A lógica é simples: o mundo emergente é de onde vem a maioria das mercadorias. Se você está otimista ou pessimista em relação ao crescimento global, você sente o mesmo em relação às commodities e às ações de mercados emergentes.

Mas agora, o que era o grande ciclo das commodities, parece que a narrativa mudou. Como uma recuperação pós-coronavírus tornou-se visível no final do ano passado, o otimismo com países não emergentes aumentou também.

Cabe mencionar que entre o início de novembro e o final de janeiro, o índice de commodities S&P GSCI e o índice de ações MSCI Emerging Markets ganharam, cada um, cerca de 25%.

Desde então, os preços das commodities subiram mais 30%, enquanto as ações dos mercados emergentes se estabilizaram.

Uma explicação simples é que há menos razão do que antes para as ações e as commodities dos mercados emergentes subirem e descerem juntas. Já se foi o tempo em que o índice MSCI EM era dominado por produtores de commodities na América Latina. Hoje, as empresas na China, Taiwan, Coreia do Sul e Índia representam três quartos do índice.

A tecnologia, em particular, domina. As ações de tecnologia da informação representam 20% do benchmark MSCI. No entanto, em ações do mercado emergente, diz-se que seu verdadeiro peso é quase o dobro.

Pelos seus cálculos, incluindo empresas de tecnologia em setores como serviços de comunicações e bens de consumo discricionários, as ações de tecnologia representam 38% do índice. Isso se compara a menos de 5% para estoques de energia e 9% para materiais.

No entanto, as ações de commodities e mercados emergentes continuaram, até recentemente, a se mover em conjunto. Isso pode ser simplesmente um reflexo do apetite dos investidores por risco. Mas também existem razões do mundo real.

Frequentemente, o impulsionador dos ativos foi a China. A resiliência do país à pandemia – foi a única grande economia a registrar crescimento em 2020 – pode sugerir que essa narrativa ainda estava viva. Mas as preocupações com as finanças instáveis ​​em partes da economia chinesa apareceram mais uma vez no radar dos investidores.

Com a segunda maior economia do mundo improvável de seguir em frente como antes, o ímpeto por trás dos preços das commodities e das ações dos mercados emergentes diminuiu. Felizmente para os produtores de commodities, os gastos com estímulo dos EUA e do presidente Joe Biden aumentaram para manter a demanda em ebulição.

A desaceleração chinesa normalmente se refletiria em preços mais baixos das commodities, mas houve um impulso compensatório com o pacote de estímulo Biden e a reabertura econômica nos EUA e na Europa.

Uma recuperação global liderada pelos EUA e Europa deve ser boa para os exportadores de mercados emergentes em geral, mas essa perspectiva é prejudicada pela ameaça associada de inflação e aumento das taxas de juros.

Podemos contar uma macro história realmente positiva, com a abertura da economia global, um retorno do turismo, o potencial para um novo boom de commodities. Mas, por outro lado, provavelmente teríamos dificuldades para encontrar uma história de crescimento estrutural forte.

Os mercados estão sendo ofuscados pela incerteza, que foi exacerbada pelas surpresas de dados dos EUA sobre emprego e inflação. Todo mundo está esperando surpresas, mas como podemos fazer previsões quando temos essa escala de grandes novidades nos dados dos EUA?

Os investidores estão ficando abalados com a quantidade de surpresas econômicas e a confusão causada por comparações sem precedentes com uma base baixa no ano passado.

Muitos também estão se acostumando com a experiência completamente nova do aumento da inflação, mas os mesmos investidores em países desenvolvidos, disse Quijano-Evans, parecem prontos para deixar a pandemia para trás.

Mas o quadro global ainda é desigual,

Mas o quadro global ainda é desigual, com números de casos de coronavírus ainda altos em partes da América do Sul e a possibilidade de novas variantes serem um perigo contínuo até que o lançamento global da vacina corresponda ao do mundo rico.

Temos certeza de que haverá muitas surpresas nas quais não estamos pensando agora, porque não nos deparamos com essa situação antes. Muitos de nós pensamos que 2021 seria mais fácil do que 2020, mas lidar com os efeitos colaterais da Covid-19 na economia real vai durar pelo menos até 2022.

A dissociação de commodities e ações de mercados emergentes foi apenas uma pré-amostra do que está por vir.

Por: Debora Toledo

Você pode ter acesso a todas as carteiras de ações e todas as análises, vídeos e etc, Tudo isso nos Planos Combo ou Ações

Combo Ações + FIIS – Dica de Hoje

Ações – Dica de Hoje

Planos Premium?

Link Xeque Mate

Link Small Caps

Link Dica internacional

Raphael Rocha

Meu nome é Raphael Rocha, tenho 24 anos e sou formado em Administração pelo Ibmec. Algumas de minhas paixões são viagens, leitura e o mercado financeiro. Invisto e ajudo as pessoas a investirem melhor desde os 20 e estou sempre em busca de conhecimento.