É hora de comprar ouro? – Carteira Z

0
78
ouro

 

A crise está aí, é hora de comprar ouro?

Nos últimos dias, muitos investidores, vendo a bolsa e seus fundos de ações sentirem esse cenário de oscilação, têm nos perguntado, de forma recorrente, se é hora de comprar ouro, visto que é tido como o investimento ideal para a hora de grandes crises.

No decorrer do mês de agosto vimos algumas turbulências externas que movimentaram e derrubaram o nosso mercado, como questões políticas na Argentina, guerra comercial EUA X China, PIB fraco na Europa, entre outros.

 

é hora de comprar ouro

 

O que aconteceu nos últimos anos

Se pararmos para pensar, sempre teremos motivos para ter medo:

O que dizer de 2015? Era a certeza de que viraríamos a Venezuela. O PIB deteriorado e a fuga de capital do Brasil destruíram o câmbio, juros e bolsa.

Em 2016, a bolsa fez a mínima em dólar e voltou para níveis de 1997, houve pânico com o Brexit e a eleição do Trump levando o S&P 500 para -5% no overnight.

Em 2017, o famoso Joesley Day que, para muitos, parecia o fim do Brasil.

Em 2018, presenciamos a Greve dos Caminhoneiros, corrida eleitoral conturbada e o medo dos EUA subir demasiadamente os juros.

Quer ter acesso a nossas carteiras de Ações?

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente e conheça as carteiras da Área de Membros!

 

Como o ouro é visto

Ao longo de nossa jornada, na Carteira Z, percebemos que quanto mais um ativo ou produto sobe, seja ele qual for, maior é a sua procura. E qual o problema nisso?

 

seguro-de-carro

 

Qual seria o preço de um seguro para o seu carro depois de batido?

Muitas pessoas pagam seguros há anos ou até décadas sem nunca ter usado. A grosso modo foi um dinheiro perdido, mas que trouxe (ou pelo menos deveria ter trazido) certo conforto psicológico, pelo fato de conferir proteção em caso de roubo ou colisão do veículo.

No mercado financeiro, o ouro é visto por muitos como o investimento ideal para suportar grandes crises, ou seja, seria uma espécie de seguro que estaria ali guardado esperando esses momentos atípicos para que faça sentido, é hora de comprar ouro.

 

ouro-é-dinheiro

 

Vamos transportar em números, exemplificando pelo Fundo Órama Ouro, que tem uma gestão passiva e somente acompanha a variação do ouro na BM&F (que é a cotação do ouro no mercado internacional e do dólar).

 

Comportamento do Fundo de Ouro

Veja abaixo como é o comportamento do ouro (através do fundo) ao longo do tempo:

 

Primeiro Período: 31-07-2008 a 30-12-2018

O Fundo teve criação em 31 de julho de 2008. Nesse mesmo ano, somente nos últimos 5 meses, a bolsa caiu 36.90%, enquanto o Fundo de Ouro subiu 10.28%.

 

orama-ouro

 

2º Período: 01-01-2019 a 22-08-2019

Neste ano de 2019, até agosto, o fundo já rende mais de 36% contra 13.79% da bolsa.

 

orama-multimercado

 

3º Período: 30-12-2008 a 28-12-2018

Se formos considerar entre 30 de dezembro de 2008 a 28 de dezembro de 2018, vemos que, enquanto a bolsa subiu 134%, o fundo subiu, somente 65% (em 10 anos cheios).

Você tem dúvida que é hora de comprar ouro?

 

orama-ibovespa

 

Tiramos algumas conclusões a partir disso:

  • O ouro explode em momentos de alta volatilidade, ou seja, nos períodos em que o mercado age, prioritariamente na irracionalidade, mas, na maioria do tempo, o mercado está racional. Resumindo: no campo ilógico o ouro se beneficia;
  • Não enxergamos o ouro (ou fundo de ouro) como um bom investimento de longo prazo, pois pode não apresentar um retorno superior aos indicadores de mercado ao longo do tempo;
  • Se você se sente incomodado com fortes quedas e mesmo assim não abre mão de ter exposição em renda variável, o fundo de ouro pode ser uma boa opção, pois não há investimento melhor do que o de noites bem dormidas sem sobrecarga emocional, mas, nesse caso, é importante que o “seguro” seja inserido na sua carteira de forma permanente e não após grandes volatilidades, o que faria com que você estivesse desprotegido justamente quando fosse necessário; e
  • Se você faz questão de possuir essa proteção, não achamos necessária uma exposição maior do que 5% do total do portfólio exposto a renda variável.

Nós, da Carteira Z e do Dica de Hoje, entendemos que as pessoas são diferentes e tentamos elucidar o cenário de uma forma simples e oferecer alternativas que contemplem os mais distintos perfis.

Por fim, em crises e quando os ativos estão depreciados é a melhor hora para que possamos reforçar nossas posições em renda variável. As gestões que  estudamos e monitoramos na Carteira Z costumam aproveitar essas oportunidades de forma primorosa.

 

A máxima que acreditamos ser inabalável é a seguinte:

Compre ao som dos canhões.  (Warren Buffet)

Atrevemo-nos a reforçar:

Compre ao som dos canhões, desde que você durma como um anjo.

 

 

Acesse

Se você quiser conhecer nossos relatórios, oferecemos duas opções através do Dica de Hoje:

Plano Mensal: https://app.monetizze.com.br/checkout/DSN37915 e o Plano Anual: http://mon.net.br/bln8a

Se você quiser conhecer e assinar somente a Carteira Z, aos nossos estudos e relatórios quinzenais, acesse: www.carteiraz.com/planos e ganhe também carteiras exclusivas Dica de Hoje.

Instagram: @carteira_z

Twitter: @ZattarRafael

Qualquer dúvida, sugestão ou críticas serão muito bem-vindas.

Abraços e bons investimentos.

RAFAEL ZATTAR

Artigo anteriorUGPA3 – Ultrapar – Cenário Macro e Concorrência
Próximo artigoOIBR3 – OI Resultados do 2T19
Rafael Zattar, Administrador de Empresas, Pós graduando em Gestão Pública e especialista em fundos de investimento. Ele se encantou pelo mundo dos fundos de investimento pela possibilidade de poder estudar as melhores gestões e selecionar a nata desse universo e, ao mesmo tempo, ajudar as pessoas a focarem em suas atividades profissionais para turbinar os aportes acompanhando as análises da Carteira Z. Apaixonado pela família, a sua avó Zenilda é o amor de sua vida e a inspiração de todos os dias. Tem como companheira de vida e parceira Stella e filho da batalhadora Silvia e sua irmã Carla, analista do Ministério Público, além de sua melhor amiga, é a revisora dos textos da Carteira Z.