Como o emocional pode te atrapalhar na Bolsa de Valores

0
16

Ao ingressar na Bolsa de Valores, mesmo que já tenha conhecimento teórico suficiente, muitas vezes, o investidor acaba exposto às emoções que esse tipo de investimento pode acarretar.

Como o principal foco neste mercado é o resultado financeiro, o sentimento de ambição pode ser confundido com a ganância e, ao ter que lidar com perdas ou amargos prejuízos, o investidor pode deixar o medo predominar nas tomadas de decisões, fazendo com que algumas escolhas erradas e precipitadas sejam tomadas.

Atitudes prejudiciais na bolsa

  • Medo de perder: às vezes sua leitura apresenta uma clara oportunidade de investimento. Mas você já teve tantos problemas que perde a chance.
  • Medo de não ganhar: você devia ter entrado naquele ação r, mas teve medo. Agora, surge uma oportunidade e você não vai perdê-la. Acontece que sua leitura foi prejudicada pelo medo de deixar outra oportunidade “clara”. E, dessa vez, você perde.
  • Vingança: depois de perder algum dinheiro, alguns investimentos entram num sentimento de querer se vingar do mercado e ganhar o dobro do que perderam. O que acontece é bem óbvio. Mais perdas. Além do que o mercado nem sabe que você existe e está pouco se lixando para seus sentimentos vingativos.
  • Ganância: em determinado dia, esse nosso investimento hipotético está indo muito bem. Desta vez vai se dar bem. Mas, então, resolve arriscar tudo o que ganhou ou mais que isso em uma única cartada. E perde. Ou então acha que pode esticar um pouco mais uma operação que já dá mostras de que deveria ser encerrada com lucro.

Inteligência emocional ajuda o investidor de bolsa de valores

A vida não existe sem risco. Não saímos do lugar se não nos arriscamos. Quem fica o tempo todo na zona de conforto, no automático, vê a vida passando e não sai nunca do lugar”, explica a psicóloga. Isso não significa, porém, que temos que sair pulando em bungee jump rumo a penhascos.

Risco faz parte, mas o que faz com que tomemos risco de forma consciente é uma análise metódica de perdas. Ela, junto com o autocontrole para controlar a impulsividade e o imediatismo são importantes para os investidores. Se não fizer uma análise de risco viável, perde mais do que pode”, diz.

As perguntas-chave para traçar a análise de perda são: Eu dou conta da perda? Eu estou arriscando o quê? Se eu colocar todo meu dinheiro, aguento a perda, consigo sobreviver?

Ação já é, por si só, algo abstrato, um papel que representa algo que não conseguimos palpar. E o mercado de negociação de ações, além de ser também abstrato, é bruto, impessoal, irracional e mexe com nosso psicológico.

Investimentos mexem com algo importante na sociedade em que vivemos que é o dinheiro. A perda financeira destrói a autoestima, abala o comportamento e nos leva ao medo do que os outros vão pensar. Quando o mercado está em alta, todo mundo fica contente, mas nem todo mundo sabe lidar com as perdas.

Muito se fala que em investimentos o tempo é o principal ativo, já que no tempo, o dinheiro rende mais. Mas, na verdade, é a paciência que é a virtude mais importante no mercado financeiro.

A maior virtude do mercado financeiro é paciência; uma operação não pode ser questão de vida ou morte. Sabemos que há oscilação no mercado financeiro e que vai voltar em algum momento. No início da pandemia foi um susto para muita gente por causa de toda a oscilação. Nessa hora precisa ter mais do que tudo paciência, o mundo inteiro está passando por isso, não adianta personalizar e achar que só você está perdendo dinheiro.

Como manter o controle emocional na Bolsa?

O primeiro passo é entender como o fator emocional pode afetar o investidor. Por mais que não seja possível ter total controle sobre as emoções e sentimentos, é fundamental estudar os gatilhos que despertam algumas emoções capazes de influenciar o investidor na tomada de decisões.

A partir do momento que o indivíduo descobre quais são esses gatilhos, inicia-se o trabalho de como evitar que eles aconteçam e, a partir disso, é possível utilizar várias ferramentas técnicas para limitar perdas ou bloquear o ponto onde as reações em cadeia dão início e operações equivocadas são realizadas.

Os gatilhos podem ser os mais diversos, desde o ambiente escolhido para operar, como o horário de negociação, além de fatores psicológicos que interferem no humor e na concentração do investidor Por isso, uma autoavaliação diária é necessária para decidir se talvez a melhor opção em casos como estes seja se abster do mercado.

Conclusão

Diversificar, ser um investidor  e realizar o reinvestimento de dividendos pode levar você para muito longe, mas você será obrigado a passar por desafios emocionais que podem causar prejuízos e custar preciosos anos até que você alcance sua liberdade financeira.

Agora, se você aliar essa estratégia com um método de análise que mostre para você com mais clareza quando empresas boas estão com o preço de suas ações baratas, além de mais segurança e um lucro maior, você também conquistará mais tranquilidade e sossego durante sua jornada.

Tudo isso vai acelerar o crescimento do seu patrimônio e refletir de maneira positiva na sua vida e na sua busca pela liberdade financeira.

Quer ter acesso as nossas  carteiras? FIIs, Ações e outras áreas do site?