Por que a Bolsa Rendeu menos que a Renda Fixa nos últimos 10 anos?

0
160
bolsa renda fixa

Por que a Bolsa Rendeu menos que a Renda Fixa nos últimos 10 anos?

Você quando começou na Bolsa de Valores, provavelmente deve ter tido algum amigo, parente, colega de trabalho que mostrou para você um gráfico como o de baixo mostrando para você, que investir em Renda Fixa rende mais que investir em Bolsa no Brasil.

bolsa renda fixa

Foto retirada do comparador de Fundos do Verios, clique aqui

 

Vejam que nesse período, o CDI rendeu mais de 170%. Para ser exato, foram 172,04% um ganho 4x superior aos 33,30% da Bolsa de Valores.

Mas Por que isso aconteceu?

Alguns dirão que é por causa do momento comparativo que eu peguei. E que se eu tivesse comparado alguns meses depois, após a queda de 2008 do Ibovespa essa diferença não existiria. Supondo que você tenha acertado, e começado a investir no ponto mínimo do Ibovespa, vocês podem ver no gráfico abaixo que mesmo assim, o Ibovespa ainda perde do CDI. 161,06% x 121,12%.

bolsa renda fixa

Ou seja, mesmo acertando o melhor ponto de compra da Bolsa. Aquele dia que todos os jornais e noticiários estão mostrando as histórias das pessoas que perderam tudo em Bolsa, ainda sim 9 anos e 8 meses depois, você ainda está com uma rentabilidade pior.

 

Quer ter acesso a nossas carteiras de Ações?

Insira o seu endereço de email abaixo para receber gratuitamente e conheça as carteiras da Área de Membros!

 

Então, vamos ao real motivo que fez a Bolsa render menos que a Renda Fixa nesse período.

 

Como eu falo sempre para vocês, as ações negociadas em bolsa são, na verdade empresas. As ações nada mais são, que a menor parte do capital social de uma empresa de capital aberto. Falamos sobre isso, em um dos primeiros artigos aqui do site.

E as empresas para crescerem seus resultados, como estão instaladas no Brasil e a maioria delas vendem prioritariamente para o mercado interno, dependem da economia interna mais aquecida para conseguirem entregar resultados cada vez melhores. O melhor indicador para avaliar como a economia brasileira teve problemas nos últimos anos é exatamente o PIB, como vocês podem ver abaixo em foto retirada do site G1.

bolsa renda fixa

Se fizermos as contas veremos que a economia atual é do tamanho da economia de 2012.

Agora, vamos ao impacto disso nas ações para analisarmos a piora da produtividade das empresas.

Eu montei uma planilha com as ações do índice IBX100 e retirando os código que não existiam em 2008 e as ações que têm código duplicado como : (Itub3 e Itub4 por exemplo), alcancei o total de 76 ações de empresas diferentes sendo comparadas.

Um bom indicador para calcular o retorno que o acionista tem no emprego dos fatores de produção é o ROE (Return On Equity). Olhem abaixo o que aconteceu com a rentabilidade destas 76 empresas neste período de 10 anos na imagem abaixo.

Obs: Todas com peso igual.

 

Em 2008, 41 empresas ou 53,95% tinham rentabilidade superior a 15%. Agora após o 2T2018, apenas 20 ações ou 23,76%.

Em 2008, 53 empresas tinham ROE acima de 10%, eram quase 75% do total, hoje não chega nem a metade.

Isto significa que os fatores de produção como trabalho, capital e terra estão sendo remunerados na forma de salário, Juros e Aluguéis em uma velocidade maior que a própria rentabilidade das empresas.

 

Este fator de crescimento de custos e despesas, acima das receitas ao longo destes anos, depreciou muito a margem líquida, e mesmo a melhora dos últimos 18 meses ainda não foi suficiente para recuperar as margens anteriores.

Veja abaixo que a margem líquida média das 76 empresas caiu de 13,3% para 10,4%, uma queda de 3%. Sendo que das 76 empresas, 51 tiveram piora em suas margens líquidas, inclusive grandes banco como Itau, Bradesco, Banco do Brasil e Santander.

 

Para finalizar, é importante saber que mesmo em momentos de economia em alta, terão empresas que irão piorar sua rentabilidade e por consequência, suas ações irão cair. Assim como, neste período de piora da economia, tivemos empresas como Raia Drogasil e Fleury que tiveram melhoras em suas operações com retornos cada vez maiores. Mas aí eu deixo a pergunta:

 

Pensando na bolsa como um todo, o que é mais fácil, operar com o vento a favor como foram os dois últimos anos, ou com o vento contra, como foi de 2011 a 2015?

 

Abraços e Bons Investimentos

Daniel Nigri – Analista CNPI 1810

 

Agradeço a idéia do artigo ao Ricardo Gomes.