Conheça melhor as empresas que devem fazer IPO em 2020/2021

0
20

Bolsa de Valores – Foto: Freepik

Parceria Guest Post – Investidor10

O biênio 2020/2021 certamente será o grande recordista em número de IPOs realizados.

Segundo informações divulgadas pela B3, já são mais de 40 pedidos em andamento, enquanto alguns outros já foram deferidos e realizados.

Para manter você sempre bem informado e preparado para as oportunidades que podem surgir nos próximos meses separamos nesse conteúdo uma relação com as principais empresas que pretendem realizar um IPO muito em breve.

Principais pedidos de IPO para o biênio 2020/2021

Confira logo abaixo as próximas oportunidades de negócios que você poderá encontrar na Bolsa de Valores e não perca a chance de investir e fazer um bom negócio!

1.Wine

Logo Wine – Foto: Divulgação

A Wine Club é uma empresa que atua no segmento de comercialização de vinhos com rótulos nacionais e internacionais via clube de assinaturas e também por outras frentes, como o e-commerce e as vendas B2B que são aquelas destinadas a pessoas jurídicas, como bares, restaurantes hotéis, supermercados e até mesmo produtoras de eventos.

No entanto, apesar das múltiplas frentes de negócios, aquela que mais se destaca nos negócios da Wine é o seu famoso clube de assinaturas, no qual os clientes podem optar por assinaturas mensais ou anuais para o recebimento de 2 rótulos mensais de vinhos selecionados diretamente no seu endereço.

Fundada em 2008, a empresa atualmente conta com mais de 200 mil assinantes, hoje a empresa opera o que é considerado o maior clube de assinaturas de vinhos do mundo!

2. Méliuz

Logo Méliuz – Foto: Divulgação

Com mais de 1600 lojas parceiras o Méliuz é um portal especializado na distribuição gratuita de cupons de descontos e cashback para compras online. Em um primeiro momento o negócio pode parecer algo não rentável, afinal como oferecer desconto e cashback gratuitamente, qual seria o retorno obtido pela Méliuz?

A startup brasileira foi fundada em 2011 e já recebeu alguns aportes de investidores, mas essa não é a principal receita dos seus negócios. Basicamente, a empresa funciona como uma verdadeira vitrine, com uma base de mais de 2 milhões de clientes ativos, ela é comissionada pelos anunciantes por cada venda realizada por meio da plataforma. É justamente nesse comissionamento que estão os valores destinados ao cashback e também as próprias receitas da empresa.

Segundo a Méliuz, no seu modelo de negócio todos ganham, a própria Méliuz que é comissionada, o cliente que recebe desconto e cashback e as lojas que conseguem um incremento nas suas vendas.

3. Açu Petróleo

Logo Açú Petróleo – Foto: Divulgação

A Açu Petróleo é uma empresa especializada no serviço de transbordo de petróleo no terminal T-OIL do Porto do Açu, no interior do estado do Rio de Janeiro.

O negócio nasceu por meio de uma parceria entre a Prumo (empresa responsável pela administração do Porto do Açu, um dos maiores complexos portuários do mundo, controlada pelo fundo americano EIG Global Energy Partners) e a Oiltanking (uma subsidiária alemã Marquard & Bahls que atua no segmento de armazenamento de petróleo e seus derivados).

A união entre as “gigantes” possui licença para movimentar 1,2 milhão de barris por dia, chamando a atenção de investidores para o seu IPO.

4. Enjoei

Logo Enjoei – Foto: Divulgação

Fundada em 2009, a Enjoei é uma plataforma de comércio colaborativo onde pessoas físicas podem comercializar produtos pelo qual já não possuem interesse, a empresa atua por meio de um modelo de negócio muito semelhante a OLX e ZIP ANÚNCIOS que por sinal é uma das suas maiores concorrentes.

De acordo com o seu último relatório de vendas, divulgado no segundo trimestre deste ano, a empresa obteve uma receita com transações de 29,6 milhões de reais, um crescimento de aproximadamente 60% quando comparado ao mesmo período do ano passado e é mais uma das empresas que cresce em meio ao uso da tecnologia e da internet a favor dos seus negócios.

5. Nissei

Logo Nissei – Foto: Divulgação

A Nissei é uma empresa atuante no segmento varejista de farmácias, com mais de 300 lojas distribuídas em 76 cidades nos estados do Paraná, Santa Catarina e São Paulo.

Com receita líquida no primeiro semestre de R$ 759 milhões, a empresa espera o aporte de investidores por meio de IPO para estruturar o seu capital e crescimento sustentável, além de possibilitar a aquisição de concorrentes de menor porte.

6. Aeris

Logo Aeris- Foto: Divulgação

Fundada em 2010, a Aeris atua no desenvolvimento e na fabricação de pás para turbinas de energia eólica e outros componentes para empresas como a Vestas, a General Electric, a Nordex e WEG.

A Aeris entra na fila de IPOs da Bovespa, em meio a uma estratégia para consolidação do seu plano ambicioso de se tornar uma das 500 maiores empresas do país até 2023. O que sem dúvidas, pode está muito perto de acontecer, pois a empresa atua em um segmento de mercado muito promissor. Prova disso, é que ao considerar somente o primeiro semestre deste ano, a empresa já registrou 753 milhões em lucro líquido.

7. Havan

Logo Havan – Foto: Divulgação

A Havan é uma das gigantes do comércio varejista brasileiro, a empresa comandada pelo empresário Luciano Hang conta atualmente com 149 megalojas, distribuídas em 121 municípios em todas as regiões do país.

Com o seu IPO, a empresa pretende captar recursos que permitirão a expansão da marca, com abertura de novas unidades pelo país.

De acordo com os documentos enviados pela empresa a CVM, a operação será primária com captação de recursos para a empresa, mas também secundária, sendo nesse caso o valor obtido direcionado ao fundador da empresa.

8. Mosaico Ventures

Logo Buscapé – Foto: Divulgação

Detentora de marcas como Zoom, Buscapé, Bondfaro, QueBarato! e Modait, a Mosaico Ventures concentra seus negócios no comércio eletrônico brasileiro.

A companhia espera arrecadar aproximadamente R$ 340 milhões de reais com a sua oferta pública de ações. Dinheiro que será destinado ao pagamento de um empréstimo contraído pela empresa para aquisição do site Buscapé e também para expansão dos negócios e consolidação ainda maior da sua marca.

Além da oferta primária, a Mosaico Ventures também pretende realizar uma oferta secundária, colocando a disposição do mercado parte da participação dos sete atuais sócios da companhia.

9. Le Biscuit

Logo Le Biscuit – Foto: Divulgação

Fundada em 1968 na cidade de Feira de Santana, Bahia, a Le Biscuit possui 136 lojas próprias e 5 franqueadas que juntas totalizam aproximadamente 140 mil metros quadrados de área de vendas. É importante destacar, que as lojas da empresa estão distribuídas em 14 estados e 74 municípios do país e também um e-commerce próprio.

Com a expectativa de arrecadar 1,5 bilhão com a sua oferta de ações, a empresa afirma que pretende utilizar os recursos para o fortalecimento de caixa e também para a realização de investimentos em tecnologia e na expansão das lojas.

10. Urba

Logo Urba – Foto: Divulgação

Fundada em 2012, a Urba é uma subsidiária da MRV Engenharia, empresa que detém atualmente 52,1% do seu capital. Diferentemente da sua empresa mãe, a Urba não atua na construção de prédios residenciais, mas sim no lançamento e na estrutura de loteamentos em localizações estratégicas distribuídas em 19 cidades e 5 estados.

Com o seu pedido de IPO, a empresa pretende obter recursos para o fortalecimento de caixa, como também para realizar investimentos e adquirir novos terrenos para a execução dos seus projetos urbanos.

11. Navios South American Logistics

Logo Navios South American Logistics – Foto: Divulgação

A Navios South American Logistics atua no segmento de transporte aquaviário, com forte e predominante operações na região da Hidrovia Paraguai-Paraná e nos serviços de cabotagem na costa leste da América do Sul.

A empresa que possui sede na Ilhas Marshall, pretende utilizar os recursos a serem captados por meio do IPO, para o financiamento de despesas, liquidação de empréstimos e reforço de caixa.

Segundo os dados mais recentes divulgados pela empresa, no último trimestre de 2019, a companhia conta atualmente com 340 embarcações, dentre navios, rebocadores, e barcaças, além de uma doca flutuante.

12. Sequoia

Logo Sequoia – Foto: Divulgação

A Sequoia é uma empresa importante para o setor logístico brasileiro, sobretudo para o atendimento ao segmento do e-commerce onde estão os seus maiores clientes.

Em sua carteira, estão listados mais de 2.600 empresas, incluindo dentre elas 8 dos 10 maiores e-commercers do Brasil. Oferecendo serviços de entrega em 3,3 mil cidades do Brasil, a empresa alcançou somente no primeiro semestre de 2020, uma receita de R$ 376,5 milhões de reais.

Além do número de clientes e da receita líquida, outros números da empresa chamam a atenção, como o tamanho da sua frota, que é composta por 1781 caminhões próprios, 3.794 Fiorinos e Vans, além de 2.600 motocicletas.

A partir dos seus 11 centros de distribuição, a empresa realizou 17 milhões de entregas somente no primeiro semestre.

A Sequoia pretende utilizar os recursos provenientes da sua oferta pública para investir em estrutura e automação.

13. BR Partners

Logo BR Partners – Foto: Divulgação

O BR Partners é um dos principais bancos independentes de investimentos do Brasil. Especializado em em transações de fusões e aquisições, mercado de capitais, tesouraria, derivativos, private equity e reestruturações financeiras. A instituição acredita que esse é o momento certo para iniciar as suas operações na Bolsa de Valores.

Com a expectativa de obter algo em torno de R$ 800 milhões com a sua oferta pública de ações, a instituição pretende utilizar os recursos para expandir e fortalecer a sua atuação no mercado de capitais.

14. Banco BV

Logo Banco BV- Foto: Divulgação

O BV, instituição bancária que atua os segmentos de Crédito e Financiamento para pessoas, Corporate & Investment Banking, Asset Management e Private Bank é mais um dos nomes que entraram com pedido de IPO na CVM.

Atualmente controlado pelo Grupo Votorantim e pelo Banco do Brasil é um dos nomes mais esperados quando o assunto é um IPO na Bolsa de Valores para o biênio 2020/2021.

A expectativa é com a abertura do capital da empresa, sejam arrecadados cerca de R$ 1 bilhão de reais em ofertas primárias e outros 4 bilhões em ofertas secundárias dos seus acionistas, BB e Grupo Votorantim.

15. Boa Vista

Logo Boa Vista – Foto: Divulgação

Outra excelente empresa a figurar com um pedido de IPO na CVM é a Boa Vista SCPC. A companhia emitirá 83.333.333, com preços na faixa de 10,80 e 13,60 com expectativa de arrecadar até 2,4 bilhões de reais.

A empresa que registrou receita líquida de R$ 302,9 milhões de reais e lucro líquido de R$ 23,5 milhões de reais no primeiro semestre do ano, pretende utilizar boa parte dos recursos para expansão dos seus negócios, por meio de novas aquisições.

16. Caixa Seguridade

Logo Caixa Seguridade – Foto: Divulgação

A Caixa Seguridade é o braço de seguros e previdência da Caixa Econômica Federal, um dos maiores bancos do país. Sendo um dos maiores IPOs previstos para o biênio 2020/2021.

Estima-se que por meio do IPO da sua subsidiária de seguridade que deve sair ainda neste ano, a Caixa arrecade um montante superior aos R$ 10 bilhões de reais.

17. Paraná Banco

Logo Paraná Banco – Foto: Divulgação

Na esteira dos bancos que entraram com pedido de IPO recentemente na CVM, temos também o Banco Paraná que pretende arrecadar aproximadamente R$ 1,5 bilhão com sua oferta pública inicial de ações.

O banco pretende utilizar os recursos obtidos no processo de IPO para financiar a expansão de suas operações de crédito consignado, investir em tecnologia e em plataformas digitais.

Vale destacar, o lucro líquido registrado pelo banco em 2019, que foi de R$ 248,3 milhões de reais.

18. CSN Mineração

Logo CSN Mineração – Foto: Divulgação

Recentemente a CSN admitiu que pretende entrar com um pedido de IPO na CVM para a sua subsidiária, a CVM Mineração. O comunicado foi realizado por meio de fator relevante enviado aos seus acionistas.

A CSN Mineração é a segunda maior exportadora de minério de ferro do Brasil com reservas de minério superiores aos 3 bilhões de toneladas. Caso venha a se concretizar, certamente esse será um dos maiores IPOs dos próximos meses.

19. Rede D’Or

Logo Rede D’Or – Foto: Divulgação

O grupo hospitalar Rede D’Or um dos maiores do país, também demonstrou recente interesse para a realização de uma oferta pública de ações nos próximos meses.

Questionada sobre o assunto, a instituição emitiu um fato relevante, em que disse que a Rede D’Or está constantemente avaliando oportunidades de levantar capital nos mercados de renda fixa e variável.

Em um possível IPO, a expectativa é que o conglomerado de hospitais arrecada algo próximo aos R$ 15 bilhões de reais.

20. Eleva Educação

Logo Eleva Educação – Foto: Divulgação

Por fim, temos a Eleva Educação uma rede de escola, fundada em 2013, focada no ensino básico com mais de 130 unidades e 80.000 alunos em 11 estados brasileiros.

A empresa que tem o bilionário Jorge Paulo Lemann como investidor, planeja um pedido de IPO para os próximos meses, com  expectativa de arrecadar cerca de R$ 1,5 bilhão junto ao mercado de capitais.

Empresas que já concretizaram seus pedidos de IPO em 2020

Além das empresas já listadas, algumas outras com boa representatividade em seus respectivos segmentos realizaram seus IPOs ao longo dos primeiros meses do ano de 2020, veja:

Petz

A Petz – PETZ3 é uma das maiores empresas no segmento de produtos para pets do Brasil, com 110 lojas distribuídas em 13 estados e também no Distrito Federal.

 

Com suas ações precificadas a R$ 13,75, a empresa movimentou R$ 3,03 bilhões em sua oferta inicial de ações que aconteceu no dia 09 de setembro.

Pague Menos

Terceira maior rede de farmácias do Brasil em número de lojas, a Pague Menos concretizou o seu IPO no dia 2 de setembro, arrecadando cerca de R$ 1,3 bilhão de reais.

Quero-Quero

Com suas ações precificadas a R$ 12,65, a Quero-Quero – LJQQ3 que é a segunda maior varejista de materiais de construção do país, conseguiu captar R$ 1,94 bilhão com a sua entrada na Bolsa de Valores.

d1000

Além da Pague Menos, uma outra rede de drogarias realizou IPO recentemente na Bolsa de Valores, a d1000 – DMVF3, que é formada pelas bandeiras Drogasmil, Farmalife, Drogarias Tamoio e Drogaria Rosário com presença no Rio de Janeiro, Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso e Tocantins.

Com suas ações inicialmente precificadas em R$ 17,00 a rede de farmácias conseguiu obter cerca de R$ 400 milhões no mercado para expansão da sua rede de lojas.

Locaweb

No primeiro IPO do ano, a Locaweb – LWSA3, uma das maiores gigantes brasileiras em serviços de tecnologia para a internet, levantou R$ 1 bilhão, com suas ações inicialmente cotadas na casa dos R$ 17,25.

Além das citadas, outras empresas já realizaram seu IPO neste ano, veja:

  • Estapar – ALPK3;
  • Lavvi – LAVV3;
  • Aura Minerals – AURA32;
  • Priner – PRNR3;
  • Moura Dubeux – MDNE3;
  • Mitre – MTRE3;
  • Ambipar – AMBP3;
  • Grupo Soma – SOMA3.

Qual a sua opinião a respeito das novas entrantes na Bolsa de Valores? Investiria em alguma delas? Contribua com o nosso conteúdo, deixando o seu comentário.

Parceria Guest Post – Investidor10

Você conhece os nossos planos de assinaturas?

Veja todas as possibilidades de planos e escolha de acordo com seu perfil

Clique e conheça a página dos planos e possibilidades